Torcedores do Liverpool terão direito legal de vetar entrada em Superliga e discutir decisões do clube | OneFootball

Torcedores do Liverpool terão direito legal de vetar entrada em Superliga e discutir decisões do clube

Logo: Trivela

Trivela

Representando os apaixonados pelo Liverpool, o presidente da Spirit of Shankly, a truste oficial do clube, assinou um contrato que estabelece um comitê de torcedores que terá o direito legal de vetar a entrada dos Reds em uma futura competição dissidente, como foi a Superliga Europeia, e dialogar com a diretoria em assuntos como o preço dos ingressos e a experiência nos dias de jogos.

Esse nível de influência, considerado um marco nas relações entre torcedores e clubes na Inglaterra, começou a ser discutido após o colapso da Superliga Europeia em abril do ano passado. Ao lado de Manchester United, Arsenal, Tottenham, Chelsea, Manchester City, Barcelona, Real Madrid, Atlético de Madrid, Juventus, Milan e Internazionale, o Liverpool anunciou que se juntaria a uma competição nova que racharia com a Uefa e com a estrutura das pirâmides das ligas nacionais.

A decisão foi muito criticada pela maioria da torcida do Liverpool, e as reações levaram o dono John Henry a gravar um vídeo pedindo desculpas. Desde então, em meio a um futebol inglês que discute uma maior participação das torcidas nas tomadas de decisão, o vice-campeão da Premier League começou a negociar com os seus torcedores como isso se daria na prática.

O comitê será formado por 16 torcedores, em mandatos de dois anos. A primeira formulação conta com 10 representantes da Spirit of Shankly, com o seu presidente, Joe Blott, também liderando o novo grupo. Os outros seis foram escolhidos por outras associações que incentivam os Reds, como Liverpool Disabled Supporters Association, Kop Outs, Spion Kop 1906, Official Liverpool Supporters Clubs, e Liverpool Women’s Supporters Committee.

O Chelsea havia anunciado em maio de 2021, pouco depois do fim da Superliga, que três torcedores seriam selecionados para participar das reuniões do seu Conselho, mas eles não teriam nenhum poder de voto. Ao contrário, esse comitê do Liverpool terá o direito legal de vetar uma futura cisão com a estrutura vigente do futebol e discutir outros tipos de decisões estratégias. Os 16 selecionados até farão um curso de familiarização para entender como o clube opera nas áreas em questão.

“Este é um trabalho histórico, um passo em direção ao desconhecido, mas um que eu acredito que beneficiará os torcedores de hoje, e mais importante, um legado para futuras gerações”, disse o presidente da Spirit of Shankly, ao The Athletic. “Desde a queda da Superliga até agora, tem sido uma jornada de orgulho e não poderia tê-lo feito sem meus colegas na SOS, nossos parceiros e o Liverpool, que foi à mesa com disposição e desejo por mudança”.

O diretor administrativo do Liverpool, Andy Hughes, disse que este é um dia importante à história do clube e de enorme importância estratégica. “Estamos orgulhosos do trabalho que foi feito para fazer com que isso acontecesse e agradecemos a Spirit of Shankly e Joe Blott pelo apoio em trabalhar conosco para chegar a este marco. Em nossa primeira reunião, conseguimos delinear nossos objetivos e propósitos e conhecer cada representante”, afirmou.

Serão quatro reuniões por ano entre o comitê de torcedores e executivos de alto escalão do Liverpool, e uma com o Conselho completo, incluindo os donos da Fenway Sports Group. Um dos objetivos também é resolver divergências internamente antes que elas cheguem ao público. Não chega a ser uma participação direta na administração do clube ou uma estrutura que resolverá todos os problemas. Mas é um passo importante na direção certa.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo