Presidente da CBF é retirado do cargo por decisão da Justiça | OneFootball

Icon: OneFootball

OneFootball

OneFootball·07 de dezembro de 2023

Presidente da CBF é retirado do cargo por decisão da Justiça

Imagem do artigo:Presidente da CBF é retirado do cargo por decisão da Justiça

Ednaldo Rodrigues foi retirado do cargo de presidente da CBF por decisão da Justiça.

As informações foram divulgadas inicialmente pelo jornal O Globo.


Vídeos OneFootball


Segundo o veículo, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou ainda que o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), José Perdiz, assuma a CBF por 30 dias.

Ele também deve conduzir uma nova eleição na entidade.

A decisão do TJ-RJ considerou ilegal um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que resultou na eleição de Ednaldo como presidente da CBF em 2022.

Ednaldo ainda pode recorrer.


Entenda a situação

Segundo informações do ge, o caso teve início ainda em 2017.

Naquele ano, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) questionou na Justiça mudanças nas regras para as eleições na CBF.

A reclamação surgiu porque as alterações foram feitas sem participação dos clubes.

Foi com essas regras que Rogério Caboclo foi eleito presidente da entidade em 2019.

No entanto, ele foi afastado da presidência da CBF em julho de 2021 por denúncias de assédio.

Ednaldo Rodrigues assumiu o cargo (inicialmente de forma interina) e assinou um TAC com o MP-RJ no início de 2022.

Ainda segundo o ge, esse TAC estabelecia um acordo sobre novas regras eleitorais e, teoricamente, deveria extinguir a ação do Ministério Público.

Com essas novas regras, Ednaldo se elegeu para um novo mandato como presidente da CBF em março de 2022.

A decisão desta semana do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro considera que o TAC assinado com o MP-RJ é ilegal.

Como o documento resultou na eleição de Ednaldo, ele foi destituído de seu cargo na entidade máxima do futebol brasileiro.

O TJ-RJ justifica que Ednaldo ainda era presidente interino da CBF quando assinou o documento e estaria se beneficiando do acordo ao se candidatar em seguida.


Foto destaque: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images


Mencionados neste artigo