Palmeiras sonha ainda com Santos Borré, mas tem Dinenno como 'plano B'

Logo: Stats Perform

Stats Perform

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fimages.performgroup.com%2Fdi%2Flibrary%2Fdazneditorialimages%2F45%2Fd1%2Fjuan-ignacio-dinenno_juan_ignacio_dinenno_y2pzjz8xydks1hsn3cwafesai.jpg%3Ft%3D-377407049&q=25&w=1080

O Palmeiras continua a ter Santos Borré como prioridade para reforçar o ataque, mas, segundo a Goal apurou, trabalha também com outros dois nomes no mercado. O principal “plano B” neste momento é o argentino Juan Dinenno, que pertence ao Pumas, do México.

Alvo antigo de observação, Dinenno já recebeu uma primeira sondagem do Verdão. Aos 26 anos, o goleador atua no futebol mexicano desde 2019, tendo antes passado por Deportivo Cali, da Colômbia, Barcelona de Guayaquil, do Equador, e Aldosivi e Racing, da Argentina.

Taty Castellanos, também de origem argentina, é mais um que interessa ao clube alviverde. Aos 22 anos, o jogador revelado pela Universidad do Chile caminha para renovar contrato com o New York City FC, da MLS, e, por isso, a negociação é vista como complicada.

Dinenno e Castellanos estão numa lista de avaliação criada na Academia de Futebol antes mesmo da chegada de Abel Ferreira. Apesar de ter aprovado a dupla de hermnaos, a comissão técnica portuguesa insiste na contratação de Santos Borré e, inclusive, deixou isso claro aos dirigentes.

A princípio, as conversas por Borré estão “congeladas”. Com a intermediação do agente brasileiro André Cury, o Palmeiras fez nesta semana uma oferta pelo atacante: salário de 2 milhões de dólares (R$ 11 milhões) por temporada e luvas de quase 5 milhões de dólares (R$ 27,5 milhões), num contrato válido por quatro anos.

Incomodado com a postura do Verdão, visto que foi procurado diretamente por Cury, o colombiano já teve um primeiro contato com Abel, mas comunicou que vai esperar primeiro pela proposta oficial de renovação do River Plate, com quem tem vínculo até junho deste ano. Quer, acima de tudo, manter o bom relacionamento com o clube argentino, onde atua desde 2016.