🏅 Os melhores treinadores do século XXI no Brasil 🇧🇷: 4º lugar

Logo: OneFootball

OneFootball

Ian Chicharo Gastim

Imagem do artigo: 🏅 Os melhores treinadores do século XXI no Brasil 🇧🇷: 4º lugar

Depois de escolher os melhores jogadores, o Onefootball iniciou uma nova contagem regressiva para eleger os melhores treinadores que atuaram no futebol brasileiro no século XXI.

Computados os votos da nossa equipe, o ranking foi formado. E o quarto colocado da lista é ele: Luiz Felipe Scolari.


4. Felipão

Foto: Miguel Schincariol/Getty Images

Apesar de ter ficado marcado pelo fatídico 7 a 1 na Copa de 2014, Luiz Felipe Scolari é um dos maiores treinadores que atuaram no Brasil desde 2001. Apenas no período analisado pela equipe do Onefootball, o treinador conquistou 5 títulos pelo futebol brasileiro, incluindo Copa do Mundo, Brasileirão e Copa do Brasil.

Após um belo aproveitamento pelo Cruzeiro, onde faturou o título da Copa Sul-Minas em 2001, o técnico chegou ao ápice da carreira, ao ser convidado para dirigir a seleção brasileira na Copa de 2002. O convite da CBF foi feito devido também aos trabalhos exemplares pelo Grêmio e Palmeiras na década de 90, quando foi campeão da Libertadores, do Brasileiro e da Copa do Brasil pelos dois clubes.

Em 2002, aliás, Felipão comprou uma briga contra quase todo o Brasil, ao não levar Romário para a Copa e apostar em Ronaldo Fenômeno, recém-recuperado de lesão, mostrando sua personalidade forte, muitas vezes, confundida com teimosia. Ou seria mesmo teimosia?

Bom, a verdade é que todo mundo sabe como foi o seu desempenho à frente do Brasil no Japão e na Coreia. Com 100% de aproveitamento na competição, o treinador ajudou o Brasil a colocar a quinta estrela no seu escudo, com um time apelidado de “Família Scolari”, devido ao seu estilo “paizão” com os jogadores.

Após a conquista, a torcida, que quase pediu a cabeça do treinador no caso Romário, clamou pela permanência de Scolari, mas o treinador deixou a seleção e foi treinar Portugal, do então jovem Cristiano Ronaldo.

Na seleção europeia, conseguiu um inédito segundo lugar na Eurocopa de 2004 e um quarto lugar na Copa do Mundo de 2006. Com os bons resultados na primeira década do século, Felipão atingiu um grande objetivo na sua vida: treinar um clube de ponta na Europa.

Foto: Ian Walton/Getty Images

Em julho de 2008, chegou em Londres para treinar o poderoso Chelsea. Os resultados, no entanto, não foram como se imaginava e Scolari terminou demitido em fevereiro de 2009, após uma sequência ruim. É preciso destacar, porém, que o treinador não recebeu reforços de peso, como era tão comum nos Blues nessa época.

Ao sair do Chelsea, Scolari se aventurou no Uzbequistão, onde venceu de forma invicta o campeonato local com o Bunyodkor.

Após a aventura no futebol uzbeque, Felipão retornou ao Palmeiras para, mais uma vez, ser campeão. Em 2010, conseguiu pegar uma equipe desacreditada e vencer a Copa do Brasil, a sua segunda pelo clube, interrompendo um jejum de 12 anos sem títulos nacionais da equipe.

Em 2012, Scolari foi escolhido para ser o treinador da seleção na Copa de 2014. Mesmo que o Brasil tenha fracassado totalmente no seu objetivo principal, é preciso relembrar que o time foi campeão da Copa das Confederações, com direito a 3 a 0 – fora o baile – na Espanha na final.

Após o fracasso na Copa, Felipão voltou para o Grêmio, mas também não foi bem e acabou pedindo demissão em meio aos resultados pífios com o tricolor gaúcho. Aí veio mais uma aventura do veterano treinador.

Em 2015, Scolari foi treinar o Guangzhou Evergrande, da China, onde colecionou títulos: Liga dos Campeões da Ásia, em 2015, três Campeonatos Chineses, 2015, 2016 e 2017, uma Copa da China, em 2016, e duas Supercopas da China, em 2016 e 2017.

Na sua volta ao Brasil, em 2018, Felipão pegou um instável time do Palmeiras e emplacou uma série invicta de 23 rodadas, que culminou no título Brasileiro daquele ano, tornando-se o treinador mais velho a conquistar o torneio.

Além disso, ainda foi eleito o melhor técnico do campeonato, coroando o seu 27º título na carreira, que o isolou mais ainda no ranking de técnicos mais vencedores do Brasil. O segundo colocado, Luxemburgo, tem 23.

Atualmente sem clube, Scolari não pensa em se aposentar e aguarda a volta do futebol para discutir onde irá seguir a sua vitoriosa carreira. O treinador já negou uma proposta do Colo-Colo, do Chile, e foi sondado pelo San Lorenzo, da Argentina.


Foto de destaque: Miguel Schincariol/Getty Images