Nathan completa 100 jogos com camisa do Atlético, elogia Cuca e reitera força do elenco

Logo: Deus me Dibre

Deus me Dibre

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fdeusmedibre.com.br%2Fdeusmedibre%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F07%2F51314789205_99692432ff_c-1.jpg&q=25&w=1080

FOTO: PEDRO SOUZA / ATLÉTICO

No jogo contra o Bahia, no último domingo, o meio campo Nathan, completou 100 jogos com a camisa do Atlético e não escondeu a alegria desse momento importante em sua carreira.

Eu fico muito feliz de ter atingido essa marca de 100 jogos. Eu estou aqui, um pouco mais de três anos, e desde que eu cheguei, falei que meu desejo seria chegar para ficar. Para fazer história no clube. E eu estou muito feliz de estar aqui.

Questionado sobre suas ambições nesta temporada, o meia não deixou de exaltar sua ambição em conquistar um título pelo Galo ainda nesta temporada, comentando sobre o momento do Atlético – invicto há nove jogos, brigando no topo de três competições – e ressaltando a qualidade do elenco, que apesar de numeroso, é tido como qualificado tecnicamente.

A gente vem crescendo a cada jogo, e isso mostra a força do nosso elenco. E com toda certeza, com o grupo que a gente tem hoje, se Deus quiser a gente vai conquistar alguns títulos esse ano ainda.

O jogador fez questão de elogiar a postura do técnico Cuca com todos os jogadores do elenco e salientou a importância da rodagem que o treinador vem dando a ele e também há outros jogadores.

É um técnico que ele mostra para a gente, no dia a dia, o quanto importante todos jogadores são. A atenção dele com cada um. E sobre a rotação que ele faz no time, isso aí é muito importante para a gente, vem dando confiança para muitos jogadores. Mostra o quanto nosso grupo é qualificado, e quem está dentro de campo, sempre vai dar o melhor.

Desde que chegou ao Atlético, Nathan jogou em várias posições, questionado qual a posição que prefere jogar, de acordo com o esquema tático hoje do time, o jogador disse que também tem dúvidas sobre isso e entende que o papel de escolha é do treinador.

Essa é uma pergunta que até eu tenho dúvida. Esses dias atrás, eu estava conversando com o Cuca, e ele me perguntou que posição que eu preferia jogar, e eu falei para ele que não existe uma posição que eu prefira jogar. Eu quero estar dentro de campo, Sempre tentando ajudar, independente de posição. Dependendo do jogo, às vezes gosto de jogar um pouco mais recuado, dependendo do jogo, eu gosto de jogar mais para frente. Tanto que no jogo contra o Bahia ele me colocou de centroavante, e eu consegui fazer o gol, no rebote. Quase consegui fazer um gol, novamente, no segundo jogo. Isso vai mais da visão dele. Ele acompanha os treinamentos no dia a dia, e ele tenta pegar o melhor de cada jogador, e colocar em prática.

Nathan também citou o carinho da sua família com o Atlético, e destacou que sua irmã já assistiu à jogos no meio da maior torcida organizada do clube, a Galoucura, e adorou.

A minha família, desde que eu cheguei aqui, eu falei. Antes, ninguém era atleticano, não tem por que eu mentir. Mas hoje, o carinho que a minha família tem pelo clube, pelo carinho que o clube tem por mim, é muito grande. Meu avô, às vezes, até reclama que eu tenho que mandar mais camisas para ele, porque às vezes, ele usa, dois, três dias seguidos a mesma camisa. Meu pai sempre que está aqui, ele antes tentava sempre ir nos jogos. Minha irmã, assistiu o jogo no meio da Galoucura. Minha irmã gosta demais. Então, a família toda gosta muito, e fico muito feliz pelo carinho que eles tem pelo Galo e o carinho que o Galo tem por mim.

Mencionados neste artigo
Saiba mais sobre o veículo