Matheus Fernandes fala sobre saída do Barcelona: ‘Achei muito antiprofissional’

Logo: Nosso Palestra

Nosso Palestra

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fi0.wp.com%2Fnossopalestra.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F07%2F45788276285_b187a64728_h.jpg%3Ffit%3D1500%252C923%26ssl%3D1&q=25&w=1080

De volta aos treinamentos do Verdão, o volante Matheus Fernandes falou ao portal ‘ge‘ sobre sua saída do Barcelona e sobre toda a frustração com relação ao tratamento que recebeu, sobre a rescisão por email e a relação com o treinador Ronald Koeman.

– Não sabia, e quando recebi não acreditei (sobre a rescisão). Estava em casa, ia sair com a minha esposa, recebo uma mensagem do pessoal do clube perguntando se estava com o mesmo e-mail, confirmei e aí recebi. Não entendi bem, mandei para meu empresário e advogado. Falaram que era minha rescisão. Falei: “ah, mentiram que fizeram isso”. Passou um tempo e estava na imprensa. Nem conversa, nada, nem me ligaram para falar oi e tchau.

Conheça o canal do Nosso Palestra no YouTube! Clique aqui.Siga o Nosso Palestra no Twitter e no Instagram / Ouça o NPCast!

– Não sei o que a diretoria fez, o que aconteceu com o Barcelona. Sei lá, está tomando um rumo muito estranho. Demitiu um cara por telefone, depois demitiu outro por e-mail. Não custa nada, chama para conversar. Não tem acordo? É assim, não contamos com você. Em qualquer trabalho pode falar que não conta com você. Tem de ser conversado. Mas não é uma ligação e já era, um e-email e já era. Acho muito antiprofissional – disse o hoje palmeirense, que participou de apenas um jogo no Barça.

Sua passagem na Espanha foi conturbada, ao ponto de Koeman dizer que Matheus Fernandes que não era atleta para o Barcelona. De toda forma, o jogador retorna ao clube que o projetou para o futebol europeu e onde se sente em casa, acolhido e respeitado. Mesmo diante da forte concorrência por vaga, ele optou por retornar ao Verdão.

– A única coisa que falei para o meu empresário quando surgiu a proposta do Palmeiras foi que quero voltar porque preciso me sentir feliz e em casa. Conheço todo mundo, os atletas conversam, brincam. Fiquei muito tempo sozinho, foi muito difícil. Tinha os brasileiros que me ajudaram, mas longe da família fica mais complicado – afirmou Matheus, que elogiou o desempenho dos novos companheiros.

– Isso (concorrência) só me dá mais vontade de treinar, quero treinar o tempo todo. Passo o maior tempo lá dentro do centro de treinamento com trabalho de força, técnico, tático. Dá mais vontade de trabalhar tendo essas pessoas qualificadas, me motiva para estar sempre na excelência. Os caras estão voando (risos). É trabalhar, a oportunidade vai aparecer. Uma hora vai cair no colo e tem de agarrar.

Confira a íntegra do papo de Matheus Fernandes com André Hernan:

Sobre a passagem pelo Barcelona– Sempre tive um sonho de garoto, de jogar no Barcelona. Quando cheguei lá não me tratavam como atleta. Falei isso para o diretor, que não estavam me tratando como um jogador profissional do Barcelona. Independente de ganho muito, pouco, se foi feito isso ou aquilo, sou atleta do Barcelona. Não quero nada, se vou jogar ou não é eu, treinador e outros atletas, mas quero ser tratado igual. Os caras tiveram apresentação e eu não tive. Foi marcado umas dez vezes e não foi feito. Fiquei um pouco chateado. Olhando de fora pensava uma coisa e chegando lá me trataram diferente. Não sei se é com todos, comigo aconteceu muita coisa negativa. Tenho a cabeça tranquila, sei do meu potencial. Não é o clube que vai manchar minha carreira. Vou trabalhar no Palmeiras, treinar forte e jogar forte. Muitas coisas ainda estão para acontecer. Amanha posso estar jogando em outro clube lá fora ou virando ídolo do Palmeiras. Quero isso, escrever meu nome na história do Palmeiras conquistando títulos. Espero que seja uma passagem muito boa.

Possibilidade de processo– Está rolando. Não falaram nada comigo. Só falaram tchau e tchau. Foi errado, foi feio da parte do clube. Nem sei como está, deixo na mão dos meus advogados. Vamos ver, ainda não sei o que está acontecendo dessa parte tão delicada. A gente não quer, mas…

Treinar ao lado de Messi– O cara é um gênio. Assistia a ele treinando falta, finalizando, é um gênio. Todo mundo fala que é um ET (risos). É um cara tranquilo, fica na dele, não é muito de falar, observar muito. Como tinha os brasileiros, Neto, Felipe e até o Rafinha, ficava mais com eles, não cheguei a conversar muito com Messi sobre futebol, vida, ficava mais olhando os treinamentos. Ele é incrível.

Recepção de Abel Ferreira – Conversei com ele um pouco, mais apresentação. Acredito que ele não sabe nada relacionada a isso que aconteceu comigo. Agora é trabalhar. Cheguei em um clube extremamente vencedor, jogadores muito qualificaram. Os meninos subiram e encaixaram bem. Fico feliz, fui abraçado por todos, todo mundo perguntando como está, até a psicóloga veio falar comigo e perguntar algumas coisas para eu mudar a chave que agora estou em outro clube muito grande que vai exigir talvez até mais.

LEIA MAIS

  • Árbitro se confunde em súmula e assinala terceiro cartão amarelo de Abel em lance errado
  • Com Matheus Fernandes em campo, Palmeiras se reapresenta na Academia de Futebol
  • Um ano após retomada do futebol, Palmeiras já disputou 106 jogos; confira os números do Verdão no período
Mencionados neste artigo
Saiba mais sobre o veículo