Klopp: “Sabia que iríamos reverter quando vi os primeiros movimentos do segundo tempo” | OneFootball

Klopp: “Sabia que iríamos reverter quando vi os primeiros movimentos do segundo tempo”

Logo: Trivela

Trivela

Jürgen Klopp estava radiante depois da vitória do Liverpool sobre o Villarreal por 3 a 2 em uma partida de muitas emoções e com uma virada que testou o coração dos torcedores. O técnico foi perguntado sobre a estratégia depois de ver o seu time sair perdendo por 2 a 0 no primeiro tempo e conseguir uma virada que consolidou a passagem à final e a demonstração que a equipe é uma das melhores do mundo.

“Parece a primeira final em 20 anos! Obviamente tornamos muito complicado para nós mesmos, mas sabíamos que esse tipo de coisa pode acontecer. A vida é sempre sobre como você reage quando as coisas não acontecem como você gostaria”, afirmou o treinador.

“Conseguir o primeiro gol depois de dois ou três minutos é oposto do que você quer. Respeito ao Villarreal. O estádio, o time, o técnico. Inacreditável. Eles nos colocaram sob pressão homem-a-homem por todo o campo e não conseguimos jogar futebol de jeito nenhum”, continuou o técnico.

“O mundo todo no intervalo pensou que estava mais para 3 a 0 do que para 2 a 1, mas nós ainda estamos aqui. Eu sabia que iríamos reverter quando vi os primeiros movimentos do segundo tempo, mas ainda tínhamos que fazer o gol. Foi enorme, muito, muito especial”.

“Não posso respeitar mais o Villarreal pela forma como jogaram no primeiro tempo. Eu não falei sobre a capacidade física para continuar como estava para os meus jogadores. Falei sobre soluções de futebol, como poderíamos mudar o jogo, forçar nosso próprio futebol”, afirmou o treinador logo depois da partida.

“Sabíamos o que estava errado no intervalo. Foi um grande intervalo, mas mais importante foi como os rapazes reagiram. Não fomos flexíveis o bastante (no primeiro tempo). Tivemos que misturar um pouco. Tivemos que mudar”, afirmou ainda Klopp.

“Eu disse aos jogadores: ‘Eles têm o momento, mas não são donos dele. Com uma situação podemos mudar isso. Temos que jogar nos espaços certos e temos que nos forçar a começar a jogar futebol’. De repente, quebramos as linhas e encontramos Naby e Trent em meios espaços e estávamos no jogo, marcamos gols e fizemos acontecer”.

Quando perguntado sobre o adversário, ele deixou aberto. “Eu irei assistir. Seja quem for, será enorme. Não que eu queira um ou outro. Quem ganhar amanhã (esta quarta, 4 de maio) irá merecer e iremos nos enfrentar em Paris”, disse o alemão.

É a quarta final de Champions League da carreira de Klopp, igualando a marca de treinador que mais chegou até lá junto com Miguel Muñoz, Alex Ferguson, Carlo Ancelotti e Marcello Lippi. Ancelotti pode ultrapassá-lo justamente se levar o Real Madrid a mais uma final. Foi uma final com o Borussia Dortmund, em 2012/13, quando perdeu para o Bayern, e será a terceira pelo Liverpool. Em 2017/18 o time perdeu para o Real Madrid, mas na temporada seguinte, em 2018/19, conquistou o título.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo