Grupo Suning, dono da Internazionale, fecha as portas do Jiangsu, atual campeão chinês

Logo: Trivela

Trivela

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Ftrivela.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F02%2FAlex-Teixeira-Eder-Jiangsu.jpg&q=25&w=1080

Há 108 dias, o Jiangsu FC conquistava o seu primeiro título chinês. Foi no dia 12 de novembro, quando o time dos brasileiros Miranda e Alex Teixeira e do ítalo-brasileiro Eder venceu o Guangzhou, de Paulinho e Anderson Talisca, por 2 a 1, depois de um empate por 0 a 0 na partida de ida. Neste domingo, o grupo Suning, dono do Jiangsu e também da Internazionale, na Itália, anunciou o encerramento das atividades do clube, no último dia do prazo para inscrever a equipe na próxima edição da liga chinesa.

“Devido à sobreposição de variáveis incontroláveis, o Jiangsu não consegue garantir a permanência na Super League e na AFC. Nos últimos seis mesmos, o clube fez tudo para garantir a sua continuidade, sem perder qualquer oportunidade. Quando nós chegamos ao limite do prazo para registro da temporada 2021, temos que fazer o anúncio: com efeito imediato, encerramos as operações de administração do clube, ao mesmo tempo que esperamos que outras empresas queiram discutir o futuro conosco”, diz comunicado do Jiangsu, segundo citado pela Gazzetta dello Sport.

Não chega a ser surpreendente. Na última quinta-feira, falamos sobre os problemas financeiros do grupo Suning na nossa coluna de futebol italiano. A crise no grupo Suning preocupa também o time italiano de Milão, já que os chineses buscam um novo investidor majoritário para os nerazzurri, ainda sem sucesso. Problemas fora de campo que contrastam com o desempenho em campo, onde o time é líder da Serie A.

O Jiangsu estava ameaçado de ser fechado depois que foi colocado à venda por um centavo, mas com o compromisso do novo comprador de assumir dívidas na casa dos €60 milhões. Zhang Jindong, dono do grupo Suning, afirmou que a ideia era focar nos negócios da empresa e, portanto, tiraria dinheiro de outras iniciativas – como o futebol.

“Devemos concentrar nosso principal campo de batalha, iniciar a subtração, redesenhar a linha de batalha. Vamos nos concentrar no negócio de varejo de forma resoluta, fechar e cortar nossos negócios irrelevantes para o varejo sem hesitação”, afirmou Jindong no dia 19 de fevereiro. A mensagem, segundo o executivo, foi exclusiva sobre negócios na China, embora tenha causado preocupação na Itália. E, bom, o Jiangsu fica na China. O atual campeão, portanto, não disputará o próximo Campeonato Chinês e o clube deixará de existir.

Na última sexta-feira, o grupo Suning fez um comunicado para tentar tranquilizar os torcedores da Internazionale. “Como parte da estrutura de capital e gestão de liquidez em curso, a empresa e nossa propriedade estão em negociações para fornecer uma série de soluções a esse respeito”, diz o comunicado.

“Embora a Suning tenha confirmado seu compromisso com o apoio financeiro contínuo do clube, com ou sem apoio externo adicional, também é sensato e prudente olhar para fora. Com isso em mente, a Suning nomeou consultores-chave na Ásia para trabalhar com eles na busca de parceiros adequados, seja com uma injeção de capital ou de outra forma. As conversas com os principais parceiros potenciais a esse respeito continuam em andamento”.

Por enquanto, tudo é muito incerto e os comunicados do grupo Suning servem apenas como uma tentativa de tranquilizar os seus próprios investidores, mais do que torcedores dos clubes. Até porque no começo de janeiro o grupo negava veementemente qualquer problema financeiro e dizia que as notícias sobre negociações para a venda da maior parte das ações da Internazionale eram apenas rumores. Resta saber quais serão os próximos passos.