Grêmio vence o Londrina, segue no G4, mas não convence | OneFootball

Grêmio vence o Londrina, segue no G4, mas não convence

Logo: Portal do Gremista

Portal do Gremista

Na noite desta terça-feira (28), o Grêmio recebeu o Londrina pela 15ª rodada da Série B. O jogo na Arena se notabilizou por muita entrega das duas equipes, mas faltou futebol. O Tricolor venceu o Tubarão por 1 a 0, com gol de Biel, e não corre o risco de deixar o G4 na rodada, no entanto, o desempenho da equipe segue abaixo do esperado.

Primeiro tempo de Grêmio x Londrina: muita vontade e pouco futebol

O Grêmio escalado no 4-2-3-1 começou procurando propor o jogo e imprimindo velocidade nas ações ofensivas. Campaz, atuando pelo meio, se mostrou interessado e teve boa movimentação, mas o Londrina fez uma marcação compacta diminuindo os espaços e o colombiano não conseguiu criar.

A marcação Tricolor se mostrou frouxa e permitiu que os paranaenses trocassem passes no campo de ataque. O camisa 10 do Tubarão, Gegê, era o principal articulador, mas também não conseguia a vitória pessoal no último terço do campo.

- Publicidade -

Aos 14 minutos, em um raro lance de inspiração, Biel tabelou com Diego Souza e marcou o gol do Grêmio. Aos 20 minutos, Caprini acertou a trave de Grando, na única grande oportunidade de gol do time de Adilson Batista.

O Tricolor não teve criação na etapa inicial, Campaz acabou o primeiro tempo como um atacante e não como meia, os laterais não apoiam, e os extremas pararam na marcação. Sendo assim, Diego Souza não foi acionado. De fato, o primeiro tempo do Grêmio contra o Londrina foi ruim.

Nos primeiros cinco minutos o Londrina tentou impor uma forte pressão sobre o Grêmio, que adiantou suas linhas e se colocou no campo de ataque empurrando o adversário contra o seu gol. No entanto, apesar do sufoco que o Tricolor impôs neste momento, a falta de qualidade do escrete se repetiu e se tornou, mais uma vez, um problema.

Apesar de tomar conta do jogo, o Grêmio não tinha criação, o meia-atacante Campaz, como já era esperado, não conseguiu criar. O colombiano é, por essência e característica, um condutor de bola, não um articulador. A equipe não teve profundidade e a amplitude foi explorada apenas pela direita, porém, o atacante Janderson, como de rotina, pecava no acabamento.

Mais uma vez o time não foi bem. Sobrou entrega, mas faltou a jogada combinada, a triangulação, o toque de bola envolvente. O Grêmio foi melhor que o Londrina, mereceu a vitória, mas é preciso frisar que o adversário não possui virtudes que valorizem o triunfo do time de Roger Machado.

O segundo tempo se notabilizou pela pressão gremista que dominou, mas criou muito pouco e viveu basicamente de finalizações de fora da área. Enquanto o Tubarão procurou se defender e responder em contra golpes velozes mas que quase não levaram perigo ao gol de Grando. A atuação do Grêmio não empolgou, será preciso jogar mais em Salvador, contra o Bahia, no próximo domingo.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo