Galiotte defende Abel e releva protesto com pichações: “Não podemos levar como base”

Logo: Gazeta Esportiva.com

Gazeta Esportiva.com

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fwww.gazetaesportiva.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fimagem%2F2020%2F09%2F26%2Fgali.jpg&q=25&w=1080

Atual campeão, o Palmeiras estreia nesta quarta-feira, às 21h, na Copa Libertadores. Vindo de uma sequência negativa de resultados, o Verdão sofreu com protestos nesta última semana. O presidente Maurício Galiotte comentou a relação com Abel e a situação da equipe.

“Falamos com o Abel. Não podemos nos basear sobre a opinião de 1 ou 2 pessoas que foram pichar os muros. Se a gente ficar pautado em relação a isso, perdemos nossa linha”, comentou o cartola ao canal ESPN.

“São jogadores que foram campeões da Libertadores e há seis meses tiveram a foto rasgada na porta da Academia de Futebol. Não é meu papel discordar ou concordar, só não podemos levar como base”, completou.

O Palmeiras perdeu a Supercopa do Brasil no pênaltis para o Flamengo, e em seguida o mesmo aconteceu na Recopa, contra o Defensa y Justicia. Na retomada do Paulistão, o alviverde foi derrotado no clássico contra o São Paulo, por 1 a 0.

“Saímos de Brasília aplaudidos com duas derrotas que valiam troféu. Aí eu pergunto, qual devo considerar? Aquele que aplaude ou que picha? Temos que seguir nossa metodologia e planejamento. O Abel tem a mesma linha de raciocínio”, disse Maurício Galiotte.

“Obviamente o Abel não concorda e ficou chateado, mas sabe que o torcedor cobra muito no Brasil e do Palmeiras é exigente. Esses jogadores já têm os nomes na história do Palmeiras”, finalizou.