Foto: Divulgação/Manchester United | OneFootball

Foto: Divulgação/Manchester United

Logo: Futebol Latino

Futebol Latino

Atleta consagrado no futebol europeu, o atacante Edinson Cavani sequer hesitou ao ser questionado no programa Bola da Vez, da ESPN, sobre qual seria o seu maior motivo de orgulho na carreira como profissional: defender a seleção uruguaia.

Para ele, a busca por regularidade nas equipes que defendeu ao longo da carreira eram importantes tanto para obter as vitórias como pensando em sustentar um nível alto o suficiente para ser considerado nas convocações da Celeste.

“Como jogador, meu maior orgulho, como profissional, foi defender por tantos anos a minha seleção. Uma demonstração de constância, de perseverança. De sempre tentar fazer o melhor possível para manter o nível. O que permite sempre com que volte a minha seleção. É sempre poder fazer parte de uma convocação quando chega o momento. Esse é o meu maior orgulho.”

Constantemente especulado nos últimos meses como alvo tanto do Boca Juniors como também de equipes brasileiras como Botafogo, Corinthians e Grêmio, o jogador do Manchester United reconheceu que houveram contatos. Porém, nada de mais concreto em relação a propostas formais ou mesmo a sua inclinação para um determinado projeto.

“Meu irmão comentou um pouco sobre diferentes oportunidades e situações apresentadas atualmente. E entre elas, a possibilidade de jogar no Brasil. Não mencionaria especificamente um time, mas recebemos contatos do Brasil para o ano que vem estar aí, na próxima temporada. São oportunidades, portas que se abrem. E como eu sempre digo, sou muito grato aos brasileiros porque sempre que jogo no Brasil, quando estive com a minha seleção sempre foram muito carinhosos. É algo que reconheço, porque se tem uma coisa que eu sou, é grato. Sobre o futuro, ainda não sei, vamos ver o que acontece, mas sou muito grato aos brasileiros”, disse Cavani.

“Como eu comentei anteriormente, houve um contato com Román (Riquelme). Inclusive me escreveu, nos comunicamos. São coisas que no ambiente do futebol, entre colegas, acontece. E. como mencionei, é um grande clube da América do Sul. Como, como um jogador de futebol, eu poderia dizer que não gostaria de jogar em um time como o Boca um dia?”, acrescentou.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo