Flamengo fecha balanço do primeiro semestre de 2020 com prejuízo de R$ 26 milhões; veja os números

Logo: Coluna do Fla

Coluna do Fla

Imagem do artigo: Flamengo fecha balanço do primeiro semestre de 2020 com prejuízo de R$ 26 milhões; veja os números

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

O Flamengo conseguiu quebrar recorde com o faturamento do ano passado, e a expectativa era ser ainda melhor em 2020. Por conta da pandemia, o Mais Querido teve os planos atrapalhados e acabou fechando o primeiro semestre de 2020 com um prejuízo de R$26 milhões.

O valor foi divulgado pelo clube no balanço feito para o primeiro semestre do ano. No mesmo período em 2019, o Mais Querido conseguiu alcançar um superávit de R$ 38 milhões.



O resultado era esperado por conta de todas as mudanças enfrentadas com a pandemia do covid-19. Sem bilheteria e com as competições adiadas, o clube já estava se preparando para isso. Em um trecho do balanço, as situações foram citadas.

– Neste ano de 2020 o calendário das competições foi significativamente alterado com suspensão a das competições e proibição de público nos estádios, a partir de março. Diante disso, parte das receitas com direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, da Copa Libertadores da América e da Copa do Brasil deixaram de ser reconhecidas no período, estando as parcelas recebidas registradas como Adiantamento no Balanço Patrimonial.

Somente no primeiro semestre de 2020, a receita operacional líquida do Mais Querido foi de R$ 320 milhões. Em 2019, o valor arrecadado havia sido de R$ 397 milhões. Os gastos também diminuíram: R$ 286 milhões de 2020, contra R$ 293 na última temporada.

Confira alguns dos números do balanço

Receita

Direitos de transmissão fixos: R$ 10,6 milhões
Patrocínio e publicidade: R$ 46,2 milhões
Bilheteria: R$ 21,8 milhões
Estádio: R$ 5,1 milhões
Sócio-Torcedor: R$ 38,6 milhões
Venda de direitos econômicos: R$ 144,2 milhões
Empréstimos e mecanismo de solidariedade: R$ 20 milhões

Despesas

Salários, encargos e benefícios: R$ 103,2 milhões
Direito de imagem: R$ 38,5 milhões
Gastos com negociações e baixas de atletas: R$ 23,6 milhões
Gastos com jogos e competições: R$ 20,8 milhões
Empréstimos de atletas: R$ 9,1 milhões
Amortizações de direitos de jogadores: R$ 65,2 milhões