Entrevista: Fábio Matias fala sobre escolha do Bragantino e projeto a longo prazo | OneFootball

Entrevista: Fábio Matias fala sobre escolha do Bragantino e projeto a longo prazo

Logo: Esporte News Mundo

Esporte News Mundo

Fábio Matias é o novo técnico do Sub-23 do Red Bull Bragantino (também do Red Bull Brasil), e falou com o Esporte News Mundo. Fábio chegou ao Braga depois de passagens pelas categorias de base de Flamengo, Internacional, Grêmio, Figueirense entre outros times. Teve momentos importantes e como principal conquista na carreira tem o título da Copa São Paulo de Juniores pelo Inter em 2020.

Veja abaixo a entrevista completa no vídeo e algumas respostas dele em texto.

Como chegou a proposta para treinar o Red Bull Bragantino e porque aceitou? O que o Red Bull te oferece nesse momento da carreira?

O principal que eu posso falar, é a questão do projeto, o projeto em relação a início, meio e fim. Não que isso não tenha no Flamengo, não tem no Internacional, mas a gente sabe que a nossa cultura, em relação ao processo de base, processo de formação é muito competitiva, uma cultura que você também tem que ter, em paralelo, resultados expressivos. Eu sou prova disso, tive um resultado muito expressivo com o Internacional, que foi a Copa São Paulo de Juniores. Mas em paralelo a isso a gente acredita muito na relação desenvolvimento dos jogadores, desenvolvimento do atleta. O que o Red Bull hoje nos oferece aqui dentro, esse projeto de médio a longo prazo é de desenvolvimento de atletas e profissionais dentro do clube. E isso vem dentro da minha ideia em relação a parte profissional.

Outro ponto que eu tenho enfatizado, que eu tenho falado bastante, é que hoje dentro da cultura, dentro do cenário nacional, o Fábio Matias chegou num teto em relação sub-20, eu era o treinador do sub-20 do Flamengo, uma das referências hoje em termos de jogadores, em termos de clube, toda aquela estrutura que o Flamengo me deu também foi algo sensacional. Mas eu preciso dar o próximo passo também em relação à carreira. Ter um sub-23 onde você disputa competições profissionais e esse é o foco que a equipe tem também, além da condição de disputar o Aspirante eu acho que é um ponto também em relação a minha carreira, é uma mudada de chave também em relação a isso, é algo também que me chamou muita atenção também em relação ao projeto é eu dar esse pequeno passo.

Sobre trabalhos anteriores, pressão na base e projeto do Bragantino:

Eu tive a oportunidade de trabalhar com o Miguel Angel Ramirez, ter um contato direto com ele no Internacional com outros treinadores também: Coudet, Abel Braga tive uma oportunidade muito grande em relação a isso. No Flamengo também, no ano passado o Renato Gaúcho e agora o Paulo Souza, que saiu a pouco tempo, então eu tive essa oportunidade de ter esse contato com esses profissionais também em relação ao trabalho. e um ponto que eu acho bem interessante é que o que acontece no profissional influencia muito na base. Então se a equipe não está bem no profissional, isso reflete também no contexto da base, há uma pressão também interna em relação à base. Coisa que quando o profissional tá bem lá em cima a pressão na base não existe, ela diminui, isso são coisas que eu vivi dentro do processo.

E essa questão como você está falando anteriormente: projeto, o que é um projeto sólido hoje em dia em relação a clube? Eu sei que torcida tem todo esse amor, paixão pelo jogo de futebol, mas isso, muitas vezes, passa um pouco do limite, em alguns clubes a gente tem visto muito isso passar do limite. E hoje o Red Bull é um clube que dá ao treinador do profissional a segurança que ele vai ter continuidade que ele vai ter um processo de construção. É como a minha situação hoje aqui na sub23, eu vim para desenvolver jogadores, eu vim para preparar jogadores pro profissional, esse é um grande objetivo.

Sobre a integração na base:

Hoje nós estamos no mesmo ambiente da sub-20, da sub17, da sub15 é um processo que vai acontecer a longo prazo de nós passarmos a treinar também juntamente com o profissional, essa é uma ideia que o clube tem e acho importante isso. O Arthur (Itiro) é um profissional que já conheço há alguns anos, de conversar algumas vezes, o Vítor tendo esse contato agora Inicial aqui, está sendo bem interessante. Estou conseguindo agora, depois de fazer toda a avaliação da categoria sub23, estou começando a visualizar as outras categorias do clube e os meninos que são os potenciais do clube. Acho que a gente sempre tem que estar observando as categorias debaixo, então estamos tendo contato muito bom, é o início ainda de trabalho e como eu falei a gente vive no mesmo ambiente aqui hoje. Em alguns momentos tem atletas do Júnior que tem vindo trabalhar com a gente também então essa relação acho que ela é muito importante. E essa proximidade também faz parte daquela relação integral, que o clube tem que ter nas categorias de base

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo