Diretoria do Flamengo respalda trabalho de Ceni e não vê orçamento para troca de treinador

Logo: Stats Perform

Stats Perform

A temporada mal começou e Rogério Ceni já está novamente na berlinda com grande parte da torcida do Flamengo. As críticas ao trabalho do técnico são grandes, mesmo após a conquista do Brasileirão e da Supercopa do Brasil. Internamente, no entanto, o treinador ganha respaldo e a possibilidade de saída é descartada pela diretoria, que faz boa avaliação do comandante. 

As cobranças ao trabalho de Ceni nunca cessaram, nem mesmo depois da conquista do Campeonato Brasileiro. Na última rodada da competição, o Rubro-Negro perdeu para o São Paulo e ficou dependendo do resultado do Internacional, que não conseguiu vencer o Corinthians. Na ocasião, as críticas dimuíram, mas voltaram a crescer nos últimos dias. 

Depois do empate em 2 a 2 com a Portuguesa, a Raça Rubro-Negra, principal torcida organizada do clube, emitiu uma nota oficial fazendo duras críticas a Ceni. 

No dia seguinte da derrota para o Vasco, havia sido a vez de Zico, maior ídolo da história do clube, desaprovar publicamente algumas escolhas do treinador em seu canal no Youtube. 

"Muita gente acha que no futebol de hoje todo mundo tem que jogar bem em todas posições, e para mim não é assim. Eu acho que o Flamengo tem duas posições que os caras são fortíssimos: o Rodrigo Caio de zagueiro pela direita e o Arão de volante. Eles são fantásticos. Então, colocar um que não está bem, razoável. Já entrou o Gustavo Henrique, Léo Pereira, Natan, Thuler, Bruno Viana. Se você faz uma rodagem, bota o Arão na zaga e o Rodrigo Caio na esquerda, você vai ter um mais ou menos na zaga central e um mais ou menos na esquerda. Se o Rodrigo Caio estivesse na direita, ele não seguraria a camisa (do Rony). O tipo de cobertura é um, a maneira de jogar é outra. O Arão, se tivesse de volante, já saberia como se comportar se receber um drible de calcanhar (do Raphael Veiga). De volante ele já sabe como vai, de zagueiro é outra coisa", disse o ex-camisa 10 da Gávea que completou

"Quando pegou time de camisa, o Flamengo sofreu. Perdemos contra o São Paulo, foi o senhor absoluto do jogo. Contra o Palmeiras, teve várias jogadas que poderia ter ganho o jogo e aconteceu contra o Vasco, o Flamengo foi vulnerável. Em uma Libertadores, fora de casa, time argentino…. Me lembra o Dome, jogar de peito aberto e leva uma ‘cachapada’. Isso que me preocupa". 

Segundo apuração da Goal, no entanto, apesar do tom das críticas aumentarem nos últimos dias, Ceni está bem respaldado internamente e tem a confiança da diretoria, que não pretende fazer mudança no cargo neste momento. Nem mesmo um possível resultado ruim contra o Vélez, nesta terça-feira (20), pela Copa Libertadores, seria motivo para demitir o treinador, segundo alguns dirigentes. 

A ideia é esperar a fase de grupos da Copa Libertadores, que termina na última semana de maio, para fazer qualquer tipo de avaliação deste tipo. O trabalho de Rogério Ceni é avaliado como bom e o relacionamento com o grupo falam a favor do técnico. Além disso, o Flamengo está com a "carteira fechada" e segundo gastos para se manter no "azul". Há o entendimento que não existe hoje orçamento para buscar um treinador estrangeiro neste momento. 

Vale lembrar que, o Flamengo segue pagando a multa do espanhol Domènec Torrent até dezemnbro deste ano. O Rubro-Negro desembolsa por mês cerca de R$ 1 milão.