Destaque no West Ham, Lingard revela problemas na passagem pelo United

Logo: Gazeta Esportiva.com

Gazeta Esportiva.com

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fwww.gazetaesportiva.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fimagem%2F2021%2F03%2F24%2F000_96G3W7-scaled.jpg&q=25&w=1080

Principal destaque da campanha do West Ham no Campeonato Inglês desta temporada, o meia Jesse Lingard está emprestado ao clube londrino pelo Manchester United. Aos 28 anos, o inglês vive grande fase e já soma nove gols e quatro assistências em 14 jogos pelos Hammers.

Em entrevista ao canal Presenting, do YouTube, Lingard falou sobre o momento ruim que viveu no Manchester United  e revelou que alguns problemas pessoais estavam afetando seu desempenho dentro de campo na temporada passada. A entrevista foi gravada em janeiro, quando ainda estava nos Red Devils, mas só foi divulgada nesta quinta-feira.

“Eu estava indo para os jogos (do Manchester United) e ficava feliz de ficar lá sentado no banco. Aí percebi que isso não era para mim. Até falei para o meu irmão outro dia: ‘Lembro quanto eu estava satisfeito só de ir lá para ficar sentado na reserva?”, disse.

A fase ruim dentro de campo e a depressão da mãe impactaram a relação de Lingard com o futebol e quase resultaram uma pausa na carreira do meia.

“Não pensei em abandonar o futebol, mas pensei, sim, em dar um tempo. A verdade é que eu não queria estar em campo, pois minha cabeça não estava lá. Eu não tinha foco nenhum naquele momento. Eu estava preocupado com outras coisas, e tudo isso estava sendo armazenado dentro de mim.”, comentou.

O baixo desempenho e os problemas psicológicos foram decisivos para a saída de Lingard do Manchester United. O meia foi anunciado no West Ham em janeiro de 2021 e, desde então, é um dos principais destaques do time.

Antes do empréstimo, o meia de 28 anos ficava apenas no banco de reservas ou nem chegava a ser relacionado para os jogos dos Devils. O primeiro lockdown imposto na Inglaterra por conta da pandemia de covid-19, em março de 2021, mudou a forma como o inglês encarra a carreira.

“Eu poderia muito bem ter largado minha carreira durante o lockdown. Eu poderia ter dito: ‘Quer saber? Não quero mais fazer isso…’. Eu poderia muito bem ter desistido de tudo, mas o lutador que há em mim sempre me faz voltar. Durante o lockdown, eu fui para a academia, comecei a correr como um louco. Eu queria voltar aos treinos em forma e mais rápido do que todos, e foi isso que eu fiz”, destacou.