Danilo analisa confronto com o Boca Juniors e pede Corinthians com atitude diferente da ida | OneFootball

Danilo analisa confronto com o Boca Juniors e pede Corinthians com atitude diferente da ida

Logo: Meu Timão

Meu Timão

O Corinthians decide sua vida na Libertadores na noite desta terça-feira. O Timão está na Argentina para enfrentar o Boca Juniors, pelo jogo de volta das oitavas de final da Libertadores - a bola rola às 21h30. O ex-meia e campeão com o Corinthians em 2012, Danilo, comentou sobre o duelo decisivo desta noite e pediu uma equipe com atitude diferente, com relação ao confronto de ida, no empate por 0 a 0.

"Aqui foi um jogo muito igual, as duas equipes bem postadas atrás, arriscou pouco. O Corinthians criou poucas situações de gol. A gente teria que ter mais volume na frente, mais oportunidades e chances de gol, acho que faltou um pouco isso. E num jogo fora de casa isso é fundamental, ter posse de bola na frente e criar as oportunidades. Se sair na frente num jogo decisivo como esse é fundamental”, iniciou Danilo em entrevista à Gazeta Esportiva.

Atualmente, Danilo é treinador da equipe Sub-20 do Corinthians, que na última partida venceu o Fluminense pelo Campeonato Brasileiro e ocupa a segunda colocação do grupo. Com essa nova função e também sofrendo com desfalques, o ex-atleta analisou o quanto as ausências atrapalham e incomodam um técnico.

“Acaba atrapalhando um pouco, você acaba perdendo o conjunto, talvez você perde um jogador mais experiente também e tem que colocar outro. Mas o clube é grande, nessa hora que mostra isso, quem está fora vai ter oportunidade de entrar e a gente torce para que entre e jogue à altura daquele que saiu. Não é um jogo fácil, mas tem condições de passar”, disse.

Por fim, Danilo comentou sobre os atletas que ainda não tinham jogado em La Bombonera e jogaram neste ano e conseguiram o empate por 1 a 1. Para fechar, o atual treinador não disse quem poderia se destacar e focou no coletivo do grupo, mas enalteceu o goleiro Cássio em uma possível decisão nas penalidades

“Ajuda um pouco, nesse quesito de alguns jogadores às vezes não terem jogado lá e agora já jogou aquele jogo. Mas agora é diferente, é mata-mata, decisivo, uma final, envolve muitas coisas”, falou.

“O conjunto tem que fazer um grande jogo e ainda tem os pênaltis. Se fizer um empate, tem os pênaltis e o Cássio é um grande pegador de pênaltis, tem esse ponto forte e que pode ajudar”, finalizou.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo