Cuca analisou a eliminação do Atlético da Copa Libertadores, apontou erros e “culpados” | OneFootball

Cuca analisou a eliminação do Atlético da Copa Libertadores, apontou erros e “culpados”

Logo: Deus me Dibre

Deus me Dibre

FOTO: PEDRO SOUZA / ATLÉTICO

A eliminação diante do Palmeiras, nas quartas de final da Copa Libertadores, ainda vai demorar a ser digerida. Alguns fatores irão pesar bastante na hora da análise feita pelos torcedores: não conseguir segurar o resultado no Mineirão, os gols perdidos nos dois jogos, a falta de criatividade jogando com um jogador a mais em São Paulo. E Cuca não fugiu desses assuntos.

Após a eliminação, o treinador respondeu a diversas perguntas da imprensa, mas começou analisando o jogo:

Nós fizemos uma análise do jogo até o 11 contra 11, que era um jogo mais aberto. Um jogo em que a gente tinha mais espaço pra jogar, tínhamos até mais controle do jogo. A partir do momento em que o Danilo é expulso, o Palmeiras fez as duas linhas de quatro, defendeu da metade do campo pra trás e pôs o Dudu de meia, abrindo de um lado o Rony e do outro o Scarpa, com Veiga e o Zé Rafael de volantes. Afunilou e o que tínhamos de homens a mais eram os dois zagueiros.

O treinador concordou quando indagado sobre as poucas oportunidades que o time criou, atuando com um jogador a mais:

Eu também acho que é pouco por termos 60% de posse de bola que foi improdutiva porque o adversário fechou muito.

Forte nas cobranças, Cuca não poupou palavras para Vargas, um dos jogadores mais experientes do elenco e que seria um batedor de pênalti, que acabou expulso no último lance da partida:

Quero avaliar bem a expulsão do Vargas, porque ele é um batedor de pênaltis, um cara experiente. Não tinha motivo para tomar o cartão. Quero avaliar para não passar em branco. Uma coisa é você ser expulso por uma necessidade. A outra é por reclamação. A gente não pode aceitar.

Para finalizar, o treinador explicou a opção por Rubens como o 6⁰ batedor de pênalti:

Pusemos os cinco melhores batedores. O sexto foi o Rubens, é menino, mas tem personalidade. Treina bem. Na base, era ele o batedor oficial. Na batida de pênalti sempre vai ter um herói e vilão. Cabe a gente passar confiança e consolo a ele.

O Atlético volta a campo no próximo domingo (14), quando enfrenta o Coritiba, na capital paranaense, às 11h00. A partida é válida pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo