Choque-Rei na semifinal da Copinha: veja tudo sobre o confronto | OneFootball

Choque-Rei na semifinal da Copinha: veja tudo sobre o confronto

Logo: Esporte News Mundo

Esporte News Mundo

Neste sábado, 22, o clássico entre São Paulo e Palmeiras, o famoso Choque-Rei, vai decidir o segundo finalista da Copa São Paulo de Futebol Júnior. O jogo acontece às 19h, na Arena Barueri. Na sexta-feira, 21, o Santos bateu o América-MG por 3 a 0 e garantiu a outra vaga na decisão da competição.

Equipes já fizeram semifinal de Copinha

Não é a primeira vez que um Choque-Rei acontece na semifinal da Copinha, em 2004, um duelo que revelou grandes jogadores, também foi responsável por colocar uma das equipes na final. O tricolor levou a melhor nos pênaltis, após o empate em 1 a 1, com gols marcados por Hernanes, que em quase todos os registros da época está marcado como Hernandes ou Ernandes pelo São Paulo, enquanto Vinícius marcou pelo Palmeiras.

Os dois elencos tinham grandes nomes, pelo tricolor, Edcarlos acabou sendo titular na conquista do Mundial no ano seguinte. Hernanes viria a se tornar um dos maiores ídolos do clube e Diego Tardelli, apesar dos problemas extra-campo, que atrapalharam sua passagem no tricolor, fez um dos gols da final da Libertadores, em 2005.

Pelo Palmeiras, William Maluco, artilheiro da Copinha, teve uma carreira sólida no futebol mexicano, antes de ser repatriado pelo São Paulo em 2021. Sem sucesso no rival, ele recentemente foi para o CSA-AL. Outro que também acabou defendendo o adversário e estava no elenco era o lateral-direito Ilsinho, que foi para o tricolor em 2006. O goleiro Deola era o titular da meta alviverde.

Após vencer o Choque-Rei, o São Paulo avançou para a decisão, mas perdeu por 2 a 0 para o Corinthians, que na época tinha nomes como Bobô e Abuda.

+ Para saber tudo sobre a Copa São Paulo, siga o Esporte News Mundo no TwitterFacebook e Instagram

As mudanças que tornaram a base do Palmeiras competitiva

Não é segredo para ninguém que o trabalho de base do Palmeiras evoluiu muito nos últimos anos. Historicamente com dificuldade para formar jogadores e também para ser competitivo nos torneios das categorias inferiores, o alviverde mudou completamente as suas diretrizes e, se antes viu Santos e São Paulo dominarem no estado, em especial no sub-15 e sub-17, hoje é um dos principais times de base do país em todas as faixas etárias.

O trabalho começou há mais de dez anos com Marcos Biasotto, hoje diretor no CFA de Cotia. O dirigente foi responsável por mudanças que levaram o Palmeiras a títulos importantes, como a Copa Rio sub-17, o acesso ao Paulistão A2 com o Palmeiras B e o Paulista sub-20, tornando a equipe mais competitiva. Apesar de não estar mais no clube na época do título, também é um dos responsáveis pela conquista do Paulista sub-17 de 2011, ano em que deixou a instituição. O Palmeiras não vencia o torneio da categoria há mais de 30 anos.

Depois da passagem de Biasotto, veio Erasmo Damiani, que atualmente está no Atlético-MG e talvez com ele, a mudança mais essencial para que o Palmeiras atingisse o estágio em que está hoje. Um dos responsáveis pela evolução brutal de Gabriel Jesus na equipe palmeirense, a contribuição de Damiani foi além, trabalhando o formato e a filosofia das categorias de base da Academia e certamente teve um trabalho mais difícil de, uma vez estabelecida a competitividade, criar uma metodologia que permitisse ao Palmeiras formar jogadores para o time principal, algo que aconteceu muito pouco na gestão anterior.

Damiani recuperou as categorias sub-11 e sub-13 no clube, que eram inexistentes há muito tempo. O que pode surpreender muitos, é que Neymar foi o argumento do dirigente para convencer o clube a retomar os times para jogadores abaixo dos 13 e 11 anos de idade.

Natural de Mogi das Cruzes, na grande São Paulo, o jovem desceu a serra ainda muito jovem e terminou por defender o Santos, apesar de ser torcedor do Palmeiras. Segundo Damiani, não haveria campo para craque da Seleção jogar antes dos 15 anos de idade pelo alviverde, então, se tivesse uma equipe mais jovem, para fazer a transição do futsal para o campo, de repente Neymar poderia ter sido revelado pela Academia.

O argumento bateu forte nos dirigentes e em 2014 as categorias retornaram, já dando frutos quase imediatamente. O Palmeiras chegou na final do sub-11 em todos anos, desde a criação da categoria, com o primeiro título em 2015, já com nomes como Giovani, um dos destaques do time na Copa São Paulo com dois gols e três assistências em seis jogos.

A mudança proposta por Damiani também parece cumprir a sua profecia, já na gestão seguinte, de João Paulo Sampaio. Endrick está no Palmeiras desde os dez anos de idade e foi campeão e artilheiro do Paulistão, tanto no sub-11, como no sub-13, ajudando também o time a chegar na final do sub-17 e ser campeão do sub-20, em 2021. Hoje, o jovem, de apenas 15 anos de idade, é a maior promessa da Copa São Paulo.

A chegada de João Paulo Sampaio mudou um pouco a filosofia e focou em jogadores com maior maturação física, além de se tornar muito mais agressivo na captação de atletas. O Palmeiras também alavancou as categorias sub-15, sub-17 e sub-20 e passou a ser um colecionador de finais.

As crias da academia chegaram nas últimas cinco finais de Paulista sub-15, sendo campeões em quatro ocasiões, nas últimas quatro finais do Paulista sub-17, com uma taça e sendo pentacampeões do Paulista sub-20 de forma consecutiva, um feito histórico no futebol de base.

A rivalidade ascedente do Choque-Rei na base

Com o crescimento do Palmeiras, contra um São Paulo já estabelecido há muitos anos e que se fortaleceu ainda mais com a construção do CFA de Cotia, em 2005, a rivalidade entre as equipes na base cresceu naturalmente com o número de decisões em que as equipes se enfrentaram.

Tratando-se de sub-20, os times já se enfrentaram nas finais Copa RS sub-20 de 2017 e 2018 e da Supercopa do Brasil, também no ano de 2018. O São Paulo venceu duas e o Palmeiras uma das decisões, a segunda disputa da Copa RS entre as equipes.

No sub-17 a situação também tomou outra proporção nos últimos anos, inclusive com a geração atual, formada por jogadores nascidos entre 2001 e 2004. Foram duas finais consecutivas do Paulista sub-17, em 2018 e 2019, decididas com o Choque-Rei, com uma vitória para cada lado.

Alguns nomes que disputaram as finais, inclusive, já chegaram aos profissionais dos clubes, como Renan, Henri, Gabriel Verón e Danilo, pelo Palmeiras, e Marquinhos, Talles Costa e Welington, pelo São Paulo. Outros tantos disputam a Copinha pelo Verdão, que busca seu primeiro título na competição, como Gabriel Silva, Kaiky, João Pedro e Fabinho.

Muitos nomes também estavam no título do São Paulo, em 2019 e hoje tem novo Choque-Rei pela frente, como Pedrinho, que é dúvida para o jogo, Luizão, que está fora da Copinha, após uma fratura na face, Patryck, João Adriano, Cauê, Guilherme Matheus, Léo, Pablo Maia e o goleiro Young, destaque da disputa de pênaltis que decidiu a competição. Vitinho estava no vice-campeonato do ano anterior.

Em outra disputa de penalidades, também vencida pelo São Paulo, os times decidiram a semifinal da Copa do Brasil sub-17 de 2020/21, com a geração 2003/2004, também muito presente no duelo de hoje pela Copa São Paulo.

Essas gerações disputam decisões há muitos anos e também foi o Choque-Rei que decidiu Paulista sub-15 em 2017 e 2018, com o São Paulo quebrando a sequência do Palmeiras com a conquista de 2018. Não fossem os gols de João Adriano e Léo, que deram o título para o São Paulo, em uma vitória por 2 a 1, o Palmeiras teria também sido pentacampeão consecutivo do sub-15 nos últimos cinco anos, repetindo o feito do sub-20.

Os times também se encontraram nas finais do Paulista sub-11 e sub-13 de 2018, com Endrick, artilheiro da competição com 16 gols, dando o título para o Palmeiras, marcando três dos seis gols do time nas duas vitórias por 3 a 0 e 3 a 1 no sub-13. Enquanto no sub-11, um gol de Pedro Henrique nos acréscimos deu o título para o São Paulo.

Choque-Rei da Copinha 2022

Como podemos ver, a rivalidade é forte entre essas gerações de Palmeiras e São Paulo, o que faz com que o Choque-Rei de hoje pegue fogo. Em 2021, os times se enfrentaram no Brasileirão sub-20 e o São Paulo fez 4 a 0 na primeira etapa e venceu o jogo por 4 a 2. Na época o jogo teve um show de Juan, que já subiu para o profissional. O atacante fez dois gols e deu duas assistências.

A derrota foi forte para a base palmeirense, que demitiu o treinador Wesley Carvalho logo em seguida. Paulo Victor iniciou um novo projeto, que levou o time ao título do Paulista sub-20 e mostra uma equipe muito diferente daquela que enfrentou o São Paulo no ano passado.

Embora em Copinhas o histórico do Choque-Rei seja favorável ao São Paulo, os confrontos dessa geração são muito equilibrados e hoje o Palmeiras entra com um ligeiro favoritismo. Além de ter um time fisicamente mais forte, o alviverde conta com a estrela de Endrick, a grande sensação da Copa São Paulo.

Os dois times estão invictos, o Palmeiras tem seis vitórias e um empate, com 24 gols marcados e cinco sofridos no torneio. O São Paulo está invicto, venceu todos os seus sete jogos, marcou 21 gols e sofreu quatro.

Nos confrontos até o momento, o São Paulo teve seus maiores desafios em Vasco e Cruzeiro, até então detentores do melhor ataque e melhor defesa da competição, respectivamente.

O Vasco construiu sua artilharia em uma única partida, o 12 a 0 sobre o Rio Claro, mas encontrou dificuldades contra Audax e Ska Brasil, ainda assim, mostrando um time muito habilidoso.

O Cruzeiro chegou a Copa São Paulo com um time extremamente forte fisicamente e com uma defesa muito sólida, passando por Red Bull Bragantino e goleando o Desportivo Brasil. No entanto, o São Paulo dominou o segundo tempo do jogo e encontrou o caminho contra a sólida defesa cruzeirense, que pouco criou no ataque.

Já para o Palmeiras, o Internacional foi um jogo difícil, a equipe era bem diferente da que foi campeã do Brasileirão sub-20 diante do São Paulo, mas ainda assim um conjunto forte fez um jogo duro contra o alviverde, que jogou bastante desfalcado por conta dos casos de Covid-19.

O Oeste, por sua vez, apesar de estar fora do eixo dos times de maior repercussão, vinha em mais uma grande Copinha. Semifinalista em 2020, o time passou pelo Flamengo com uma boa vitória por 2 a 0 e somou cinco gols contra o rubro-negro em dois jogos. Não era a força máxima do Flamengo, que perdeu jogadores para o time principal, mas ainda era um dos times mais fortes da categoria

Pelo São Paulo, com oito participações diretas em gols em sete jogos, sendo cinco gols e três assistências, Vitinho, o mais velho do time titular, é um dos principais destaques. No entanto, Caio Matheus, o mais jovem, nascido em 2004, com quatro gols e duas assistências, dá pintas de ser o maior expoente do time. Gabriel Maioli, jogador recuperado por Alex, após ficar quase dois anos parado por conta de lesões, também tem sido decisivo e marcou quatro vezes na competição.

No Palmeiras, Endrick é a sensação. Com apenas 15 anos ele já marcou cinco vezes, em cinco jogos pela Copinha, sendo apenas dois deles como titular. No entanto, o ataque palmeirense tem outros bons destaques, como Giovani e Gabriel Silva.

No banco de reservas a história também é interessante. Pelo São Paulo, Alex, ídolo histórico do rival, é quem comanda o time. Em seu primeiro trabalho como treinador, o ex-meia levou a equipe pra final do Brasileirão da categoria e mostra uma equipe bastante ofensiva e com muitas variações. Do outro lado, Paulo Victor, conhecido como PV, fez grande trabalho na base palmeirense e foi chamado para a Seleção Brasileira, onde foi treinador das Seleções sub-15, sub-17 e auxiliar do ex-tricolor André Jardine.

O São Paulo pode ter o desfalque do meia Pedrinho, que não atua desde a terceira fase, contra o São Caetano, por conta de uma lesão. Para o seu lugar, Alex tem escolhido Luiz Henrique, outro jogador nascido em 2004 do elenco e que foi decisivo contra o Vasco. Outro que é dúvida é o zagueiro Matheus Belém, que poderia ganhar a chance no lugar de Luizão, que com uma fratura na face está fora da Copinha. Contra o Vasco, Alex escolheu Guilherme Matheus.

O técnico Paulo Victor pode contar com a sua força máxima dentro do que utilizou no torneio, embora alguns jogadores já sejam desfalques por estarem na preparação do elenco profissional para a temporada, como Bruno Menezes, Jhow, Kevin e Natan, além de Daniel e Michel, lesionados desde o início da competição.

Veja abaixo as prováveis escalações das duas equipes e as informações do Choque-Rei:

Jogo: São Paulo x PalmeirasLocal: Arena BarueriHorário: 19hTransmissão: Sportv e Rede VidaCompetição: Copa São Paulo de Futebol Júnior – fase semifinalTorcida: sim, apenas do mandante (São Paulo), venda somente online

Prováveis Escalações:

São Paulo: Young; Nathan, Guilherme Matheus, Beraldo e Matheus Petri; Pablo Maia, Léo e Luizinho; Vitinho, Caio Matheus e Gabriel Maioli; Téc: Alex de Souza

Palmeiras: Mateus; Gustavo Garcia, Kaiky Naves, Lucas Freitas e Vanderlan; Fabinho, Pedro Bicalho e Jhonatan; Giovani, Gabriel Silva e Endrick. Téc: Paulo Victor Gomes.

Saiba mais sobre o veículo