Chelsea, City... e mais? Premier League tem reações mais fortes e primeiras desistências da Superliga

Logo: Stats Perform

Stats Perform

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fimages.performgroup.com%2Fdi%2Flibrary%2Fdazneditorialimages%2Fcb%2F1%2Fmount-chelsea-de-bruyne-manchester-city-2020-21_mount_chelsea_de_bruyne_manchester_city_2020_21_1azta4bs90ly515um8vsumtdgz.jpg%3Ft%3D-162200952&q=25&w=1080

Dois dias depois de ter sido anunciada oficialmente, a Superliga da Europa continua a causar polêmica e pode ter suas primeiras desistências confirmadas. Na Premier League - liga que tem mais times envolvidos - as primeiras movimentações para deixar a competição vêm de Chelsea e Manchester City, podendo ter mais equipes envolvidas. 

Desde que foi confirmada por 12 equipes da Europa, a Superliga tem gerado muito descontentamento, seja para torcedores e até pessoas envolvidas no futebol. E, pouco depois do anúncio, equipes já começam a repensar suas participações.

O Manchester City foi o primeiro time a anunicar que iniciou os procedimentos para se retirar do grupo criador da Superliga. A Goal, mas cedo, já havia apurado que os Citzens seriam um dos times a desistir da comeptição.

O Chelsea é outro dos times que já está se movimentando para renunciar à Superliga. Conforme apurado pela Goal, a mudança de postura dos Blues - que viram torcedores se manifestando na porta de Stamford Bridge antes do jogo contra o Brighton - se deu após uma reunião entre os jogadores e o presidente Bruce Buck na segunda-feira (20). O clube, assim como o City, já estaria se movimentando para a desistência.

Enquanto isso, o jornalista Tancredi Palmeri também trouxe informações de que Arsenal e Manchester United estão repensando suas participações. 

Até o momento, os únicos dos seis times da Premier League que aderiram à Superliga e que parecem não ter se movimentado ainda foram Liverpool e Tottenham. No entanto, alguns dizem que toso os ingleses vão deixar a comeptição juntos.

Desde o anúncio da nova liga, torcedores por todo o mundo estão criticando os 12 times fundadores da competição - na Inglaterra torcedores armaram grandes protestos direcionados a cada um dos clubes. Jogadores, ex-jogadores e outros nomes envolvidos no esporte também criticaram a superliga, bem como os times que não estão envolvidos na competição.

Pelo lado do Liverpool, que ainda não apresentou movimentações, o elenco já está se mostrando descontente. O capitão Jodan Henderson publicou uma simples nota se posicionando contra, que está sendo comprtailhada por seus companheiros.

Além da pressão de torcedores e jogadores, a Uefa e a Fifa também se posicionaram fortemente contra a criação da Superliga, prometendo que os times que fizessem parte da competição sofreriam punições. Entre as medidas para tentar impedir a realização da Superliga estão a exclusão dos times envolvidos da Liga dos Campeões e de outras competições europeias.

As consequências da Superliga também estão sendo sentidas nos bastidores dos clubes. No Manchester United, por exemplo, além da queda do valor das ações na bolsa, Ed Woodward, um dos chefes do clube, renunciou ao cargo após as polêmicas envolvendo a participação dos Red Devils na competição - ele deixa a equipe no final do ano. Como um dos cabeças do time, o cartola era apontado como um dos principais culpados pela decadência do United nos últimos anos. 

Além dos times da Premier League, outros também estão repensando suas participações. O Atlético de Madrid é outro que deve anunciar a desistência e, no Barcelona, a questão será colocada para a votação dos sócios.