Caso Arthur Cabral: Sem acordo com Palmeiras, Ceará aciona CBF após venda do atleta; Entenda | OneFootball

Caso Arthur Cabral: Sem acordo com Palmeiras, Ceará aciona CBF após venda do atleta; Entenda

Logo: Esporte News Mundo

Esporte News Mundo

O atacante Arthur Cabral virou caso de disputa judicial. Após a saída do jogador brasileiro do Basel/SUI para a Fiorentina/ITA, em acordo de venda por R$ 92 milhões, Ceará e Palmeiras, beneficiados pelo acordo, não chegaram a um consenso sobre o valor destinado a cada clube.

O impasse fez o Ceará ir a Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD), órgão da CBF, na esperança de resolver a situação.

Relembre o caso

Revelado no Ceará, o ”Rei Arthur” teve ascensão rápida no Vovô e após grande temporada em 2018, sendo peça fundamental na campanha de permanência do clube no primeiro ano após o retorno a Série A, o atacante foi vendido ao Palmeiras.

Sem espaços no time paulista, Arthur foi novamente vendido, para o Basel/SUI por R$ 27 milhões, onde os brasileirão dividiram o valor da transferência. Até aí, sem problemas. Até que após se destacar no clube suíço, Arthur despertou o interesse de vários clubes europeus, até ser comprado pela Fiorentina, onde já atua.

No ato dessa venda, surgiu o impasse entre Ceará e Palmeiras, devido a uma cláusula, quando o paraibano se transferiu do Verdão para o Basel. No contrato, havia o mecanismo ”mais-valia”, que dá daria ao Verdão, 30% do valor que exceder a quantia inicial, em caso de venda futura. O lucro do acordo entre Basel e Fiorentina (mais valia) foi de R$ 65 milhões. Aí vem o motivo da disputa:

Reivindicação do Ceará

O Alvinegro entende que deveria receber metade dos 30%, que somado ao mecanismo de solidariedade da FIFA (R$ 2,2 milhões), daria o valor de R$ 12 milhões. A diretoria cearense diz estar confiante de que a decisão será favorável para o Alvinegro.

Defesa do Palmeiras

O Verdão afirma que antes da transferência de Arthur para a Fiorentina, o clube negociou a venda desse direito, ainda no fim de 2021 e portanto, não recebeu os 30%. Afirmou ainda que apenas se manifestará sobre o caso nos órgãos competentes.

Saiba mais sobre o veículo