Buffon: “Não preciso de oito títulos da Champions League para saber quanto valho” | OneFootball

Icon: Trivela

Trivela

·23 de setembro de 2022

Buffon: “Não preciso de oito títulos da Champions League para saber quanto valho”

Imagem do artigo:Buffon: “Não preciso de oito títulos da Champions League para saber quanto valho”

Aos 44 anos, Gianluigi Buffon continua jogando futebol profissional. Defende as metas do Parma, da segunda divisão, desde que saiu da Juventus ano passado. Embora siga na ativa, sabe que não tem chance de preencher a grande lacuna do seu currículo e brigar pelo título da Champions League, mas está em paz. Afirmou em entrevista ao Festival do Esporte em Trento que não precisa do principal troféu do futebol europeu de clubes para saber “quanto vale”.

Buffon esteve em três finais de Champions League com a camisa da Juventus, mas perdeu de Milan (2002/03), Barcelona (2014/15) e Real Madrid (2016/17). Em sua breve passagem pelo PSG, não passou das oitavas de final antes de retornar a Turim para o que pareciam ser os últimos anos da sua carreira. Ele fez 26 jogos na Serie B da temporada passada e disputou as últimas duas rodadas da atual.

“Eu continuo jogando por muitas razões. Porque eu ainda me sinto forte e competitivo e porque estou na idade de ouro de um esportista. Uma idade na qual eu posso decidir quando parar a hora que eu quiser. Sou dono do meu tempo. Minhas escolhas sempre fizeram sentido. Como voltar ao Parma, porque fico feliz quando vejo os torcedores tanto quanto eles ficam me vendo no gol novamente”, disse.

“Na vida, ganhei muita coisa, mas eu também perdi outros títulos. Estou feliz por ter lutado por eles, mas, pessoalmente, eu tive sucesso também com o afeto das pessoas. E para saber quanto valho não preciso de por exemplo oito títulos de Champions League. Mesmo sem vencê-los, eu sei quão forte eu sou”, acrescentou.

Com a idade, também veio a maturidade para lidar melhor com as críticas. Hoje, Buffon afirma que as usa como combustível para ter mais motivação, mas a história era diferente quando era mais jovem. “Elas machucavam e podiam me desestabilizar. Quando você é maduro e você sabe o quanto vale, críticas são um incentivo. Às vezes eu precisei disso. Por exemplo, quando joguei bem, eu não li os jornais, porque eles poderiam me desequilibrar”, explicou.

O retorno ao Parma, na sua opinião, tem sido uma história romântica e os colegas até ficaram surpresos com a personalidade de Buffon nos vestiários. “É uma dimensão que reflete quem sou. Faz com que me sinta bem. Às vezes estou com os rapazes no vestiário e me divirto muito. Às vezes sou estúpido, não o professor. Na minha opinião, eles ficaram surpresos porque talvez esperasse outra atitude. Eu falo com eles, brinco e no fim a normalidade é a verdadeira transgressão”, encerrou.

Buffon, 44 anos, jogou 176 vezes pela seleção italiana, 685 pela Juventus e está em 248 jogos pelo Parma. Além de 25 pelo PSG. de

Saiba mais sobre o veículo