Botafogo aposta em naming rights para viabilizar financeiramente o Nilton Santos

Logo: Fogo Na Rede

Fogo Na Rede

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=http%3A%2F%2Ffogonarede.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F05%2FAlef-Manga-Botafogo.jpg&q=25&w=1080

Sem receita de bilheteria desde o início da pandemia, o Nilton Santos, estádio do Botafogo, sofre as consequências. Segundo o balanço financeiro da Companhia Botafogo, empresa que gere o estádio, as receitas do estádio em 2020 caíram pela metade.

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/resize?fit=max&h=568&image=%2F%2Fi3.wp.com%2Ffogonarede.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F05%2Freceitas-nilton-santos.jpg&q=25&w=1080

Em números gerais, a arrecadação com o equipamento retraiu de R$ 11 milhões, em 2019, para R$ 5 milhões na última temporada. O saldo, portanto, aponta para um prejuízo de R$ 3,4 milhões. O total da dívida do Nilton Santos está em R$ 34 milhões.

Naming Rights como solução

Para viabilizar o Nilton Santos financeiramente, o Botafogo busca um contrato de naming rights. De acordo com o “ge“, no entanto, não há nenhum interessado no espaço. Aliás, desde a inauguração do estádio, em 2007, o espaço nunca esteve ocupado por nenhuma marca. Esta, portanto, é uma das grandes missões da atual gestão Durcesio Mello.

Saiba mais sobre o veículo