Atlético Mineiro goleia o Fortaleza e praticamente liquida a fatura no primeiro jogo da semifinal | OneFootball

Atlético Mineiro goleia o Fortaleza e praticamente liquida a fatura no primeiro jogo da semifinal

Logo: Trivela

Trivela

O Atlético Mineiro está muito próximo de chegar pela terceira vez à final da Copa do Brasil. Nesta quarta-feira, agradou o Mineirão com uma atuação dominante contra o Fortaleza, a sensação do Campeonato Brasileiro, e construiu uma vantagem grande o suficiente para não precisar se preocupar muito com o jogo de volta. Ganhou por 4 a 0, com gols de Guilherme Arana, Rever, Hulk e Matías Zaracho.

Houve polêmica no gol que abriu o placar porque o árbitro Bráulio da Silva Machado sinalizou escanteio enquanto o chute de Guilherme Arana se dirigia ao gol de Felipe Alves. Depois desse lance, pouco antes da metade do primeiro tempo, o Atlético Mineiro deslanchou e chegou ao intervalo vencendo por 3 a 0. Desfalcado de Tinga na defesa, o Fortaleza não teve uma boa apresentação em nenhum dos dois lados do gramado e encontrou um adversário implacável para aproveitar as oportunidades.

Logo aos seis minutos, Guga apareceu em boa situação para finalizar, mas mandou por cima. Quem se apresentou como um personagem importante no setor ofensivo foi o zagueiro Rever. Aos 11, fez um lindo lançamento para Zaracho dominar e emendar um chute forte, muito bem defendido por Felipe Alves. Na cobrança do escanteio, o desvio de cabeça de Keno foi cortado antes de entrar.

O placar foi aberto aos 18 minutos. Hulk cobrou uma falta da entrada da área direto na barreira. O rebote ficou com Guilherme Arana, que dominou e emendou um lindo chute no ângulo do Fortaleza. Os cearenses reclamaram que o árbitro da partida, Bráulio da Silva Machado, apontou para escanteio e apitou antes de a bola entrar.

Em entrevista ao SporTV, Arana confirmou que ouviu o apito. As imagens da emissora mostram claramente Bráulio quase dando as costas ao lance – o que ele nunca deveria fazer – e apontando para escanteio, enquanto a bola percorria o fim do arco. Pareceu um gesto contínuo enquanto ela entrava pelo ângulo e deslizava pela rede. No som ambiente, o barulho do apito parece ter saído depois de a bola cruzar a linha também, mas foi um erro grotesco do árbitro de qualquer maneira.

O buraco ficou mais fundo para os cearenses, quando Rever apareceu na primeira trave para desviar o escanteio cobrado por Keno, e ainda mais antes do intervalo, com um terceiro gol muito bem trabalhado pelos mineiros. Hulk brigou pela bola pela esquerda e deixou com Keno que inverteu para achar Zaracho livre dentro da área. Com um passe preciso, o argentino encontrou Hulk na segunda trave: 3 a 0.

O Fortaleza ficou no dilema: como tentar diminuir o prejuízo para o segundo jogo sem correr mais riscos de ver a fatura liquidada de vez? A dúvida caducou rapidinho porque o Atlético fez o quarto no começo da etapa final. Arana cobrou falta na área, Felipe Alves espalmou e Zaracho completou o rebote para ampliar a vantagem atleticana. Em contra-ataque puxado por Hulk pouco depois, Keno não marcou o quinto por centímetros.

O Fortaleza se esforçou para tentar pelo menos um golzinho que tornaria a missão no jogo de volta um pouco mais plausível. Referências técnicas como Yago Pikachu e Lucas Crispim não estavam em um bom dia. Ainda líder do Campeonato Brasileiro, o Atlético Mineiro soube defender e administrar a partida para colocar um pé e meio na final da competição que conquistou em 2014.

.

Saiba mais sobre o veículo