Arbitro centro de polêmicas comandará o VAR do próximo jogo do São Paulo

Logo: Gazeta Esportiva.com

Gazeta Esportiva.com

Imagem do artigo: Arbitro centro de polêmicas comandará o VAR do próximo jogo do São Paulo

O São Paulo reencontrará Rodolpho Toski Marques neste final de semana. Afinal, o árbitro que apitou a polêmica partida contra o Fortaleza na quarta-feira será o responsável por comandar o VAR no jogo contra o Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro, que acontece neste sábado, às 21h.

Enquanto o paranaense estará no VAR, o árbitro da partida entre São Paulo e Grêmio será Rafael Traci (SC), que será auxiliado por Henrique Neu Ribeiro e Helton Nunes (ambos de SC).

Foram diversas as reclamações feitas por São Paulo e Fortaleza no que diz respeito à arbitragem de Rodolfo Toski Marques no Castelão. Enquanto os mandantes ficaram na bronca pelas expulsões de Felipe Alves e Carlinhos, os comandados de Fernando Diniz ficaram incomodados com o tempo de acrescido na segunda etapa e com a não marcação de um pênalti no último lance.

Após o jogo, o treinador do São Paulo expôs toda a sua indignação com a arbitragem de Toski Marques, explicando também o motivo de ter sido expulso na parte final da partida.

“Achei a arbitragem muito confusa. Diferente da arbitragem de sábado, que adotou um critério no jogo contra o Palmeiras, levando o jogo marcando poucas faltas, hoje tinha um critério de não marcar muitas faltas e, conforme o jogo vai se desenvolvendo e as coisas vão acontecendo, o critério vai mudando. O lance do Felipe Alves era para mim muito claro, que não precisava do VAR. Foi solicitar o VAR e demorou 11 minutos. O acréscimo jamais poderia ser de nove minutos, só de VAR foram 11. À frente do placar, o Fortaleza também ficou retardando o jogo, mais as substituições, e aí ele dá nove. Tinha que ser no mínimo 11, coisa matemática, e mais dois, três ou quatro”, disse Diniz.

“A minha reclamação foi essa. Ele já tinha dado nove minutos, começaram a retardar o jogo bem na minha frente, e eu reclamei do tempo. Ele veio na minha direção e eu disse: ‘Só estou reclamando do tempo, de mais nada’. Me falou que minha expulsão foi por conta da insistência da reclamação”, finalizou.