Andar com fé é bom: Napoli atropela o Sassuolo e volta a sonhar com o scudetto | OneFootball

Andar com fé é bom: Napoli atropela o Sassuolo e volta a sonhar com o scudetto

Logo: Trivela

Trivela

O Napoli não teve dó do Sassuolo neste sábado (30), jogando no estádio Diego Armando Maradona. Graças a uma atuação elétrica na primeira etapa, quando marcou quatro gols, a equipe de Luciano Spalletti segue sonhando com o título por conta da vitória por 6 a 1.

Andar com fé é bom, que a fé não costuma faiá, diria Gilberto Gil. Menos de uma semana depois de passar uma vergonha gigantesca diante do Empoli, quando levou a virada após abrir 2 a 0 de vantagem, o Napoli ressurgiu com força no horizonte da disputa pelo campeonato. Disposto a apagar a imagem ruim da última rodada, o time de Spalletti começou cedo a castigar o Sassuolo. Desatentos, os visitantes não viram a cor da bola e, com 21 minutos jogados, a rede neroverdi já havia sido balançada em quatro ocasiões.

Primeiro com Kalidou Koulibaly, aos 7, depois com Victor Osimhen, aos 15. Sem baixar o ritmo, os partenopei seguiram em busca do gol com um volume de dar inveja a muitos times competitivos por aí. Até então, o show era de Lorenzo Insigne: o baixinho deu duas assistências e consolidou o papel como garçom. Depois, foi a vez de Dries Mertens, maior artilheiro da história do clube, roubar a cena.

O passeio foi um teste para a força mental do Napoli. Não bastava parar no segundo, e sim persistir golpeando para resolver o quanto antes a partida, afastando a chance de mais uma zebra. Foi aí que entrou o mexicano Hirving Lozano, que recebeu passe de Osimhen para completar de maneira acrobática, aos 19. Estava bom para encher a barriga? Nada disso: aos 21, Dries Mertens ampliou com assistência de Mario Rui, selando o que provavelmente foram os minutos mais letais que a torcida já viu nas arquibancadas do Maradonão.

“Então beleza”, pensou o napolitano que ainda estava meio ressabiado com o placar. Com 4 a 0 fica difícil levar a virada, estava tudo funcionando, coisa e tal. As 11 finalizações só no primeiro tempo deixaram clara a proposta matadora de Spalletti para o duelo. Na volta do intervalo, ainda tinha mais gols em estoque: Mertens fez o quinto aos nove minutos, praticamente definindo o confronto.

O Sassuolo simplesmente não entendeu o que fazer para reagir, enquanto os donos da casa martelavam em busca de mais gols. O apelo da torcida foi atendido: o Napoli não abandonava a postura agressiva e queria terminar o dia em grande estilo. Spalletti, satisfeito, sacou alguns de seus principais atletas, restando pouco mais de 15 minutos para o fim. Fabián Ruiz, Lozano e Osimhen foram descansar, dando lugar a Elijf Elmas, Diego Demme e Matteo Politano. Os titulares, no entanto, não pisaram no freio. Aos 35′, Amir Rrahmani deixou o seu, para delírio dos presentes nas arquibancadas. Ninguém se incomodou com o gol de honra dos visitantes, marcado por Maxime Lopez. A festa de quem não se cansa de sonhar deve durar até a manhã de domingo nas ruas de Nápoles.

Por incrível que pareça, ainda há alguma chance para o Napoli alcançar o sonhado scudetto, que não vem desde 1990: com 70 pontos e mais três jogos por fazer, os partenopei precisam vencer os confrontos restantes e torcer por tropeços da dupla Milan e Inter. A distância para o líder Milan é de apenas quatro pontos, o que torna a disputa bastante franca, neste exato momento. Isso, claro, pode mudar caso as equipes de Milão vençam: os rossoneri enfrentam a Fiorentina e os nerazzurri pegam a Udinese, ambos os encontros serão realizados no domingo (1º).

Depois de tudo que já vimos acontecer nesta temporada da Serie A, convenhamos, imaginar o Napoli campeão não seria a coisa mais improvável. Na toada de Gilberto Gil, os órfãos de Maradona aguardam o próximo desafio, contra o Torino, fora de casa.

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo