31ª rodada: enquanto o Milan diminui distância para a Inter, a briga pela UCL se intensifica

Logo: Calciopédia

Calciopédia

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fcalciopedia.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F04%2F1002187841-scaled.jpg&q=25&w=1080

A 31ª rodada da Serie A reunia muitas expectativas acerca de dois jogos: Napoli-Inter e Atalanta-Juventus. Contudo, apesar de terem sido bons, eles foram ofuscados pela virada do Cagliari contra o Parma, na Sardenha, e pela vitória – por pouco ameaçada – da Lazio sobre o Benevento.

A jornada teve pequena redução da distância entre Inter e Milan, agora de nove pontos, e foi interessante para acirrar de vez a briga por vaga na Liga dos Campeões. Afinal, em confronto direto, a Dea venceu uma Juve sem Cristiano Ronaldo, permitindo a aproximação dos laziali e a continuidade dos napolitanos na briga. A Roma teve a oportunidade de voltar à luta de fato, mas escorregou ante o Torino, que vai se afirmando na corrida contra o descenso.

A briga contra o rebaixamento parece ganhar novos protagonistas com as derrotas de Benevento e Fiorentina, além do triunfo heroico do Cagliari do brasileiro João Pedro. Spezia e Genoa também precisam abrir o olho, após as derrotas sofridas para Bologna e Milan, respectivamente. Parma e Crotone caminham para a queda.

Milan 2-1 Genoa

Gols e assistências: Rebic e Scamacca (contra); Destro (Zajc)
Tops: Rebic e Kjaer (Milan)
Flops: Scamacca e Goldaniga (Genoa)

Depois de alguma inconstância nos últimos jogos, aliada à ausência de Ibrahimovic, suspenso, o Milan entrou bastante pressionado para enfrentar o Genoa dentro de San Siro. Mesmo com algumas dificuldades e chances claras concedidas, os rossoneri conseguiram sair vitoriosos graças a um autor de gol atípico. Com o resultado, o Diavolo se aproximou um pouco mais da rival e líder Inter, diminuindo a vantagem dos nerazzurri para nove pontos. Já o Genoa permanece no meio da tabela, podendo flertar com rebaixamento se não houver reação: o time de Ballardini venceu somente uma vez nas 10 últimas rodadas.

Logo no início, Rebic aproveitou rebote de falta cobrada por Hernandez na barreira e marcou um golaço de canhota. O domínio inicial e o gol prematuro davam confiança para a equipe de Pioli. Porém, essa confiança foi abatida com o tento de empate de Destro, em boa cabeçada. Já no segundo tempo, Rebic teve “a faca e o queijo na mão”, mas conseguiu desperdiçar grande chance quase na pequena área.

Os donos da casa empilhavam chances perdidas, até que Scamacca resolveu dar uma ajudinha. Após escanteio cobrado na área, Mandzukic resvalou na bola e ela acertou o atacante genovês, morrendo dentro do gol de Perin. Porém, a vida estava longe de ser fácil. Já no fim, a defesa rossonera teve de trabalhar em cima da linha duas vezes. Masiello tentou a primeira vez, após erro de Donnarumma, mas parou em Kjaer. No rebote, Behrami finalizou para Tomori salvar a pátria.

Napoli 1-1 Inter

Gols e assistências: Handanovic (contra); Eriksen
Tops: Koulibaly (Napoli) e Eriksen (Inter)
Flops: Osimhen (Napoli) e Handanovic (Inter)

Napoli e Inter se enfrentaram no estádio Diego Armando Maradona e movimentaram bastante a última partida da rodada. Para continuar lutando pela volta à Liga dos Campeões, a equipe de Gattuso necessitava da vitória dentro de seus domínios. A Inter, apesar do triunfo do Milan no domingo, não entrou em campo com tanta pressão, já que continua com uma expressiva vantagem na liderança. O empate foi suficiente para a Beneamata, ao passo que o time partenopeo desperdiçou a chance de igualar a pontuação da Juventus e ameaçar de forma incisiva a atual eneacampeã italiana.

O início do jogo foi marcado por domínio maior do time de Conte, que acertou o travessão com Lukaku e perdeu boa chance com Darmian. Tudo ia bem até Handanovic falhar de forma bizarra, como tem lhe acontecido eventualmente. Insigne fez jogada individual pela esquerda e bateu pra dentro da área; o goleiro esloveno tentou encaixar o cruzamento, mas se enroscou com De Vrij e acabou jogando contra a própria baliza.

Depois do gol contra do seu capitão, os nerazzurri foram mais ofensivos e novamente acertaram o poste, de novo com Lukaku. De tanto martelar, saiu o empate. Eriksen aproveitou sobra na entrada da área e acertou belo chute de canhota, no canto de Meret. O placar passou a ser um bom resultado para Conte, que deu campo ao Napoli e, esporadicamente, ameaçou em contra-ataques. Numa das poucas chances que teve, a equipe de Gattuso por pouco não marcou com um chute de Politano, que explodiu no travessão.

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/resize?fit=max&h=721&image=https%3A%2F%2Fcalciopedia.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F04%2F1002205161-scaled.jpg&q=25&w=1080
Atalanta 1-0 Juventus

Gol e assistência: Malinovskyi (Ilicic)
Tops: Djimsiti e Malinovskyi (Atalanta)
Flops: Morata e Alex Sandro (Juventus)

Atalanta e Juventus se enfrentaram em Bérgamo, num jogo decisivo para a briga pelas vagas na próxima Liga dos Campeões, e a Velha Senhora já entrou em campo com baixa importante: não pode contar com Cristiano Ronaldo, devido a lesão muscular. O craque português de fato fez falta e viu uma Juve com poderio ofensivo limitado. Já a Dea concretizou sua superioridade com a vitória no fim do jogo.

O jogo se apresentou bastante parelho no início, com cada uma das equipes alcançando boas chances. O time de Andrea Pirlo sentiu falta de um definidor ao nível de CR7: Morata teve duas ótimas chances durante o jogo, mas não foi capaz de concluir para a rede. Num saldo geral da primeira etapa, os bianconeri estiveram melhor, granjeando mais posse, finalizações e chances concretas. Porém, o segundo tempo mostrou um problema crônico dessa Juventus: cair muito de rendimento nos últimos 45 minutos.

Nestes, a equipe estava presa a uma Atalanta mais objetiva e incisiva. Não havia desafogo e, quando Dybala foi substituído e Chiesa sentiu problema físico, se esgotou qualquer possibilidade de conseguir tê-lo novamente. As opções ofensivas se tornaram escassas, com Cuadrado isolado e um Kulusevski – outra vez – errante. Para retratar esse cenário, o time teve apenas uma finalização após o intervalo. Em um jogo que o chute de longe poderia decidir, nada mais natural que apostar em Malinovskyi, que assustou em cobrança de falta e, logo depois, decidiu com ajuda de Alex Sandro.

A vitória foi construída como um roteiro de cinema para Gasperini e sua Atalanta. Após 20 anos sem bater a Juventus na Serie A, superou a rival num confronto direto e assumiu a terceira posição no campeonato – além de ganhar confiança para enfim coroar seu trabalho com um título, contra a própria Velha Senhora, na Coppa Italia. É verdade que o fator Ronaldo pode mudar tudo, mas Gasp conhece o mapa do sucesso contra Pirlo e soube explorá-lo muito bem.

Lazio 5-3 Benevento

Gols e assistências: Depaoli (contra), Immobile (Milinkovic-Savic), Correa (pênalti), Montipò (contra) e Immobile (Parolo); Sau (Insigne), Viola (pênalti) e Glik (Viola)
Tops: Immobile e Correa (Lazio)
Flops: Montipò e Gaich (Benevento)

O encontro dos irmãos Inzaghi acabou sendo um dos jogos mais movimentados da rodada. Lazio e Benevento proporcionaram emoções até o fim, tendo o VAR como um dos protagonistas na partida. A fragilidade defensiva do time de Simone impressionou: os celestes sofreram muito nas bolas aéreas e chegaram a serem muito pressionados pelos visitantes na reta final do duelo.

As emoções começaram cedo, com gol contra de Depaoli – que parecia de Immobile à primeira vista –, sendo confirmado pelo VAR aos 10 minutos. O camisa 17 laziale ainda teve uma outra grande chance antes de fazer o seu primeiro tento na partida, com menos da metade da etapa inicial. Aos 37, Correa sofreu e converteu pênalti cometido pelo goleiro Montipò. Em uma das últimas ações da primeira parte do jogo, Sau recebeu de Insigne e marcou um golaço, chutando de fora da área.

O ritmo seguiu ainda mais frenético no segundo tempo. Logo no início, Correa arriscou cruzamento para a área, Montipò tentou a defesa, mas jogou contra o próprio patrimônio. Logo depois, mais um pênalti para os celestes, desta vez desperdiçado por Immobile. Menos de 10 minutos depois, penalidade marcada para os comandados de Pippo, convertida por Viola. Depois de tento anulado de Lapadula, em escanteio, a jogada se repetiu e Glik diminuiu mais uma vez. A pressão dos visitantes pelo empate foi muito grande. Até que, em contra-ataque, no sexto minuto dos acréscimos, Immobile fechou a conta.

Com a vitória e um jogo a menos em relação a seus concorrentes, o time de Simone Inzaghi volta a sonhar com vaga na próxima Liga dos Campeões: está a apenas quatro pontos da Juventus, quarta colocada. Com apenas uma vitória nas 15 últimas rodadas, os caçulas da Serie B entraram de vez na luta contra o descenso, já que estão a apenas cinco pontos do Cagliari.

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/resize?fit=max&h=618&image=https%3A%2F%2Fcalciopedia.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F04%2F1002192127-scaled.jpg&q=25&w=1080
Torino 3-1 Roma

Gols e assistências: Sanabria (Ansaldi), Zaza e Rincón (Belotti); Mayoral (Pedro)
Tops: Ansaldi e Verdi (Torino)
Flops: Fazio e Diawara (Roma)

Torino e Roma fizeram partida que gerava muita expectativa pelo desempenho recente das duas equipes. De certa forma, o jogo entregou o que se esperava do time de Turim, mas quem decepcionou foi a formação comandada por Paulo Fonseca. Apesar da classificação na Liga Europa contra o Ajax, o técnico segue sendo contestado e nessa rodada não foi diferente.

O primeiro tempo dos giallorossi deu para o gasto: a Roma teve algumas chances criadas e chegou ao gol com Mayoral, após ótima ajeitada de Pedro. O Torino atacava com perigo, através de sua boa dupla ofensiva. Quando não era Belotti, que recebia atenção especial da defesa adversária, quem incomodava era Sanabria. O paraguaio, inclusive, passou muito perto de igualar o placar ainda nos primeiros 45 minutos.

Já na segunda etapa, a tônica da partida mudou e a equipe de Nicola reagiu muito bem. Desta vez, Sanabria não perdoou, depois de belo levantamento de Ansaldi e falha de Mirante. Zaza, em seu primeiro toque na bola, virou a partida. Após a infantil expulsão de Diawara, a Roma já não apresentava qualquer organização e como de hábito, Fazio falhou bizarramente na saída de bola. Entregou a pelota para Belotti deixar Rincón na frente de Mirante e fechar a conta.

Com a grande vitória, o Torino continua a respirar em relação à zona de rebaixamento, já que conseguiu manter os cinco pontos de vantagem para o Cagliari, com um jogo ainda por fazer. Já a Roma perdeu grande chance de se aproximar à briga por vaga na Liga dos Campeões, ficando a oito pontos da Juventus.

Cagliari 4-3 Parma

Gols a assistências: Pavoletti (Carboni), Marin, Pereiro (Marin) e Cerri (Pereiro); Pezzella, Kucka (Cornelius) e Man
Tops: Pereiro e Marin (Cagliari)
Flops: Kurtic e Bani (Parma)

O último jogo do sábado seria marcado por um confronto decisivo para as pretensões de Cagliari e Parma na briga para permanecer na elite italiana. Os times lutaram bravamente em campo e entregaram uma partida de tirar o fôlego. Com direito a virada sensacional, a equipe da Sardenha deu um passo à frente e ficou em melhores condições de assegurar a permanência, ainda que a distância para os concorrentes continue em cinco pontos.

Com menos de cinco minutos de jogo, Pezzella já havia colocado os visitantes na frente. Aos 31, o Parma ampliou com Kucka, após passe de Cornelius. O time de Semplici jogava melhor, mas sofria. Até encontrar gol crucial ainda na primeira etapa, quando Pavoletti cabeceou para as redes e esquentou de vez os últimos 45 minutos.

O Cagliari voltou mais proativo, mas mesmo assim sofreu o terceiro, em chute do jovem Man. O placar dava pouca esperança para o time sardo, porém, com pouco mais de 20 minutos da etapa complementar, Marin marcou após jogada de Pereiro. Ali começava o protagonismo do uruguaio, que havia acabado de entrar. Antes dos acréscimos, Kurtic teve a chance de matar o jogo para os comandados de D’Aversa, mas perdeu gol feito.

A partir do tento desperdiçado pelo esloveno, surge um capítulo à parte, resumido em quem não faz, leva. Em pressão desesperada dos anfitriões já nos minutos adicionais, o lapso de lucidez ficou por conta de Pereiro, que achou espaço na entrada da área e encaixou um belo chute colocado para o empatar o marcador. Logo depois, Pereiro poderia ter feito o óbvio em rolar para Nainggolan soltar um canudo da entrada da área, mas o camisa 20 buscou o cruzamento e achou a testa de Cerri para virar o jogo, aos 94. Vitória de cinema e que dá energia para lutar muito contra o descenso. O Parma levou um balde de água fria e seus jogadores sabiam claramente disso no apito final.

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/resize?fit=max&h=721&image=https%3A%2F%2Fcalciopedia.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F04%2F1002200119-scaled.jpg&q=25&w=1080
Sampdoria 3-1 Verona

Gols e assistências: Jankto, Gabbiadini (pênalti) e Thorsby (Silva); Lazovic
Tops: Gabbiadini e Thorsby (Sampdoria)
Flops: Sturaro e Silvestri (Verona)

Em duelo bastante interessante na rodada, Sampdoria e Verona se enfrentaram no Luigi Ferraris. Em primeiro tempo com domínio incrível dos visitantes, Lazovic concretizou a supremacia apresentada. Para exemplificar isso, a etapa inicial terminou com um placar de 10 a dois em finalizações para o time de Juric.

Entretanto, a Samp voltou transformada em energia e nomes para o segundo tempo. Gabbiadini, Candreva e Keita foram para o jogo e, com menos de um minuto de bola rolando, Jankto tratou de igualar o marcador. O gol precoce da equipe de Ranieri ditou a tônica do que se tornaria a partida, desta vez com muito equilíbrio. Aos 73, Gabbiadini converteu penalidade e virou para os donos da casa. Dez minutos depois, Thorsby deu números finais para o confronto e reafirmou a capacidade do time blucerchiato. Com a vitória, a Sampdoria se consolida na primeira parte da tabela e diminui a vantagem do próprio Verona, nono colocado, para dois pontos. Uma briga boa está por vir.

Sassuolo 3-1 Fiorentina

Gols e assistências: Berardi (pênalti), Berardi (pênalti) e López; Bonaventura (Ribéry)
Tops: Berardi e López (Sassuolo)
Flops: Pezzella e Dragowski (Fiorentina)

A partida reunia boas expectativas pelas individualidades de cada um dos times e o Sassuolo de De Zerbi acabou levando a melhor: conseguiu uma bela virada, construída apenas nos últimos 45 minutos, e se manteve como o time mais bem classificado abaixo das sete principais equipes da Serie A. Já a Fiorentina flerta de forma concreta com a briga contra o rebaixamento, uma vez que está apenas cinco pontos à frente do Cagliari, primeiro na zona de descenso.

Com boas chances desde o início da partida, a Viola se esquivava nos contra-ataques, com Ribéry e Vlahovic. A equipe toscana construiu boas chances até balançar as redes com um golaço de Bonaventura, justamente em um contragolpe. Castrovilli chegou a acertar a trave em chute de fora da área ainda no primeiro tempo. Já na metade final do jogo, Berardi desequilibrou. Em quatro minutos, o camisa 25 converteu dois pênaltis, sendo que o primeiro ele mesmo sofreu. A equipe de Florença sentiu o golpe provocado pela reviravolta relâmpago e ainda sofreu o terceiro tento, anotado por López.

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/resize?fit=max&h=721&image=https%3A%2F%2Fcalciopedia.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F04%2F1002174518-scaled.jpg&q=25&w=1080
Bologna 4-1 Spezia

Gols e assistências: Orsolini (pênalti), Barrow (Schouten), Svanberg (Danilo) e Svanberg (Barrow); Ismajli (Bastoni)
Tops: Svanberg e Barrow (Bologna)
Flops: Bastoni e Provedel (Spezia)

Buscando se distanciar dos três últimos colocados e se afirmarem no meio da tabela, Bologna e Spezia se enfrentaram no Renato Dall’Ara. A equipe de Mihajlovic fez o dever de casa e conseguiu ultrapassar os bianconeri, caçulas desta Serie A. Com a vitória, o time emiliano ocupa a 11ª posição e mantém distância confortável para a zona de descenso, com 12 pontos de vantagem para o Cagliari. Já a formação da Ligúria, apesar dos sete pontos de diferença para a temida zona, pode correr sério risco, já que enfrenta equipes como Roma, Napoli e Inter nas últimas rodadas.

A partida começou agitada, com Orsolini convertendo um pênalti aos 12 minutos. Pouco depois, Barrow marcou o segundo dos rossoblù. Mesmo com o baque causado pela pressão inicial dos anfitriões, a organizada equipe treinada por Italiano reagiu bem: ainda na primeira etapa, Ismajli diminuiu o placar e levou os bianconeri confiantes para o vestiário. Porém, o segundo tempo reservou um ótimo desfecho para os donos da casa. Svanberg marcou duas vezes em seis minutos e deu números finais à goleada.

Crotone 1-2 Udinese

Gols e assistências: Simy (pênalti); De Paul (Nestorovski) e De Paul (Pereyra)
Tops: De Paul e Nestorovski (Udinese)
Flops: Golemic e Pedro Pereira (Crotone)

Com brilho especial de De Paul, a Udinese conseguiu boa vitória fora de casa contra o franco-atirador Crotone. O triunfo foi um pouco mais dramático do que se apresentava nos planos de Gotti, que chegou a ter o placar em igualdade com o lanterna, quando o grandalhão Simy converteu penalidade e chegou ao sétimo jogo consecutivo marcando na Serie A.

Mesmo com a luta dos donos da casa, os bianconeri contaram com dois bonitos gols de seu camisa 10 – que, no fim da partida, acabou expulso após falta brutal em Molina. O primeiro aconteceu pouco antes do intervalo, em bela chapada na gaveta de Cordaz. Simy empatou de pênalti já na segunda parte e, poucos minutos depois, De Paul estava dentro da área para conferir e marcar o gol da vitória do time de Údine.

No geral, apesar da ameaça final e do domínio da posse por da equipe de Cosmi, o jogo foi bem equilibrado durante os 90 minutos, com a Udinese finalizando mais, mas tendo menos a bola. Ao menos três boas chances foram criadas pelo lanterna da Serie A, além do gol de seu artilheiro, que chegou a 17 no campeonato.

Seleção da rodada

Audero (Sampdoria); Bremer (Torino), Kjaer (MIlan), Djimsiti (Atalanta); Verdi (Torino), Svanberg (Bologna), Pereiro (Cagliari), Ansaldi (Torino); Berardi (Sassuolo), Immobile (Lazio), Barrow (Bologna). Treinador: Davide Nicola (Torino).