23ª rodada: a Inter jogou mal, mas conseguiu ampliar sua vantagem na Serie A | OneFootball

23ª rodada: a Inter jogou mal, mas conseguiu ampliar sua vantagem na Serie A

Logo: Calciopédia

Calciopédia

Três empates sem gols, duas goleadas e um líder ainda mais isolado. Este é o saldo da 23ª da Serie A, que testemunhou a Inter vencendo (no sufoco) para abrir quatro pontos de vantagem para o Milan – e a mesma diferença que tem do Napoli. O time do sul da Itália, aliás, retomou a segunda colocação com a goleada por 4 a 1 para cima da lanterna Salernitana.

Quem também goleou foi a Roma, que fez um primeiro tempo implacável contra o Empoli e, assim, roubou a sexta colocação da Fiorentina na tabela. Rodada boa também para Verona e Spezia, que venceram e deram um salto na classificação. Encerrando a jornada, Milan e Juventus fizeram um clássico sem grandes emoções (nem gols) no San Siro – às vésperas do clássico com a Inter, um resultado nada bom para o Diavolo. Para saber o que de melhor aconteceu na 23ª jornada do Campeonato Italiano, basta conferir o nosso resumo.

Inter 2-1 Venezia

Gols e assistências: Barella e Dzeko (Dumfries); Henry (Ampadu) Tops: Dumfries e Çalhanoglu (Inter) Flops: Ceccaroni e Ullmann (Venezia)

Em San Siro, a zebra quase passeou, mas, no fim, a Inter conseguiu arrancar três pontinhos providenciais para disparar na liderança. Não foi um jogo brilhante da equipe nerazzurra, que contou com aquele espírito de time campeão para bater um rival bastante inferior, mas que fez um jogo correto e lutou até o fim.

O Venezia abriu o placar logo aos 19 minutos de jogo. Ampadu fez um cruzamento da intermediária, e Henry subiu para cabecear forte. Uma rara falha da Inter na bola aérea e um erro já habitual de Handanovic, que proporcionaram o gol de abertura do placar para os visitantes. Só que durou pouco. Aos 40 minutos, Barella marcou seu segundo gol na Serie A para igualar o duelo. O detalhe é que a jogada nasceu de um erro na saída de bola do Venezia, forçado, justamente, por Barella. O meia espiou a jogada e se posicionou bem na área para conferir o rebote do goleiro.

Nos 45 minutos finais, a Inter não conseguiu imprimir uma pressão intensa, como era de se esperar. Na verdade, o Venezia até escapou em um ou outro contra-ataque, e a partida ficou morna. Mas no limite do tempo regulamentar, o time da casa conseguiu o golzinho salvador. Sem uma grande jogada, mas com precisão e eficiência, Dumfries alçou a bola na área, e Dzeko – que errava tudo e era o pior em campo – saltou mais do que o marcador para tocar de cabeça. A bola ainda quicou antes de balançar as redes, decretando o triunfo dos nerazzurri.

Difícil, mas igualmente importante. Com o resultado de 2 a 1, a Inter chega aos 54 pontos na tabela e, portanto, está a quatro pontos de Napoli e Milan — e com um jogo a menos. Situação mais do que excelente para os atuais campeões. Será que vem o bicampeonato? Já o Venezia, embora tenha lutado bravamente, saiu de San Siro zerado. Ruim para as pretensões do time, que segue na boca da zona de rebaixamento, em 17º lugar, com 18 pontos — um a mais do que o Cagliari, já dentro da área vermelha da tabela.

Milan 0-0 Juventus

Tops: Romagnoli (Milan) e Szczesny (Juventus) Flops: Ibrahimovic (Milan) e De Sciglio (Juventus)

Fechando a 23ª rodada da Serie A, o clássico entregou o terceiro empate sem gols do fim de semana. No estádio San Siro – que recebeu jogo em dias seguidos, prejudicando o seu já desgastado gramado – porém, foi o Milan quem tentou mais e, por isso, esteve mais perto de balançar as redes. A Juventus fez um jogo pobre, mas não passou grandes sufocos defensivamente. Ainda assim, o goleiro Szczesny foi o melhor jogador da equipe bianconera, com ao menos duas boas intervenções. Do outro lado, Maignan sequer foi acionado, o que demonstra a falta de ideias da Juve diante do rival rossonero.

Rafael Leão, em boa fase no campeonato, teve um chute perigoso na primeira etapa, mas acabou não sendo um fator de desequilíbrio como em jogos recentes. Já Ibrahimovic jogou apenas 28 minutos antes de deixar o campo com problemas físicos – novamente. Mais uma dor de cabeça para o torcedor do Milan, que ainda viu o Napoli lhe roubar a segunda colocação da Serie A.

Com o empate, os milanistas chegaram aos 49 pontos, ou seja, quatro atrás da líder Inter. Após a eliminação na Champions League, o Milan investe suas fichas no torneio doméstico, mas a situação vai ficando cada vez mais difícil. Na sequência de dois duelos em casa, apenas um ponto somado. Agora, a equipe enfrenta justamente a Beneamata, e com mando da rival, que poderá ampliar sua vantagem – além da possibilidade de fazê-lo no confronto direto, tem um jogo a menos. A Juventus, por outro lado, segue em quinto lugar, com 42 pontos. A meta é, claramente, buscar a vaga na Champions League. O time está a apenas um ponto da Atalanta, primeira equipe na zona de classificação para o torneio.

Sem motivos para comemorar: Milan e Juventus fizeram partida pobre e com resultado pouco interessante (AFP/Getty)

Napoli 4-1 Salernitana

Gols e assistências: Juan Jesus (Elmas), Mertens (pênalti), Rrahmani (Mertens) e Insigne (pênalti); Bonazzoli (Kechrida) Tops: Elmas e Mertens (Napoli) Flops: Delli Carri e Bogdan (Salernitana)

No estádio Diego Armando Maradona, o Napoli encontrou pouca resistência para sacramentar uma goleada por 4 a 1 na Salernitana, lanterninha do campeonato. O zagueiro Juan Jesus foi quem abriu o placar no clássico da Campânia, após um bate-rebate na área, aos 17 minutos – em lance que ainda contou com a validação do VAR. Só que a Salernitana buscou o empate aos 33, através de uma bonita troca de passes e finalização de primeira de Bonazzoli.

Foi a única investida bem feita da equipe visitante, que deixou o jogo com o “prêmio” de gol mais bonito do duelo. Mertens, ainda antes do intervalo, colocou o Napoli novamente à frente, cobrando pênalti. O belga assistiu Rrahmani para o terceiro dos mandantes logo após o retorno dos vestiários. Seis minutos depois, outro pênalti para os napolitanos. Dessa vez, bastante questionável, já que a bola toca no corpo de Veseli antes de atingir o braço. Para piorar, o lateral-direito ainda foi expulso do jogo, pois já havia sido advertido anteriormente. Insigne converteu o penal e transformou o placar em goleada.

Daí em diante, com um a mais e quatro gols na conta, o Napoli só administrou a vantagem sobre um time impotente e que, fatalmente, retornará à segunda divisão na próxima temporada. De qualquer maneira, o resultado foi crucial. Com mais três pontos, o Napoli retornou à vice-liderança, com 49 pontos, superando o Milan nos critérios de desempate. A distância para a Inter, porém, é considerável: quatro pontos, e um jogo ainda por fazer para os rivais nerazzurri. Já a Salernitana segue afundada na lanterna com apenas 10 pontos em 22 jogos. A esperança granata reside em vencer os seus compromissos atrasados.

Lazio 0-0 Atalanta

Tops: Demiral e Palomino (Atalanta) Flops: Immobile e Felipe Anderson (Lazio)

Um jogo em que eram esperados muitos gols, mas que não teve nenhum. No Olímpico, destaque para a defesa da Atalanta, que foi a campo repleta de desfalques e conseguiu arrancar um ponto. Pouca criação ofensiva e predomínio dos zagueiros, em um empate que atrapalha os planos de ambas as esquadras, mas que saiu menos caro para os visitantes.

No geral, a Lazio dominou a maior parte da partida, com mais chutes, passes e posse de bola. A grande chance do jogo também ficou por conta do time da casa: Zaccagni dominou um cruzamento para a área e fuzilou de perna canhota para acertar a trave do goleiro Musso. Foi o que de melhor aconteceu durante os 90 minutos. A Atalanta buscou os contra-ataques, mas não imprimiu a velocidade adequada em muitos deles.

No fim, a equipe visitante se contentou em anular Immobile e Felipe Anderson, empatando seu segundo jogo consecutivo – o terceiro nos últimos quatro jogos. Dessa forma, se manteve estagnada na quarta colocação, com 43 pontos, com um a mais (e uma partida a menos) do que a Juventus. Já a Lazio segue no oitavo lugar, com 36.

Insigne marcou um dos gols do Napoli na vitória no clássico regional com a Salernitana (Getty)

Empoli 2-4 Roma

Gols e assistências: Pinamonti (Bandinelli) e Bajrami (Henderson); Abraham (Sérgio Oliveira), Abraham, Sérgio Oliveira (Zaniolo) e Zaniolo (Mkhitaryan) Tops: Abraham e Sérgio Oliveira (Roma) Flops: Vicario e Marchizza (Empoli)

Jogando na Toscana, a Roma só precisou da primeira etapa para conseguir uma importante vitória. Uma etapa com direito a show, vale ressaltar, já que a equipe foi aos vestiários goleando por 4 a 0. Depois, no tempo complementar, a equipe da capital ainda sofreu dois gols, mas nada que ameaçasse o triunfo obtido longe de casa.

Em seu segundo jogo pelos giallorossi, o português Sérgio Oliveira foi o destaque do time, com um gol e uma assistência. Abraham também foi bem. O inglês, aliás, marcou os dois primeiros da Roma, aos 24 e 33 minutos do primeiro tempo. O português ampliou aos 35 e Zaniolo fez o quarto aos 37. Ou seja, três gols em menos de cinco minutos para os romanos, que amassaram o Empoli com contra-ataques velozes e jogadas dinâmicas.

Na segunda etapa, a Roma foi abatida pela preguiça habitual que acomete equipes que têm uma larga vantagem a seu favor. O Empoli apertou e conseguiu fazer dois gols para deixar o estádio Carlo Castellani com um pouco mais de dignidade. Os toscanos não vencem há seis jogos na Serie A, mas o bom início de temporada dá margem para a equipe ser 12ª colocada, com 29 pontos. Só uma hecatombe mandaria os comandados de Andreazzoli, atuais campeões da segundona, de volta para a categoria inferior, porém os azzurri precisam pontuar novamente para garantirem sua tranquilidade. A Roma, por sua vez, atingiu os 38 pontos e roubou a sexta colocação da Fiorentina. A Loba, contudo, tem um jogo a mais do que a Viola e pode ser ultrapassada novamente.

Cagliari 1-1 Fiorentina

Gols e assistências: João Pedro (Pereiro); Sottil (Maleh) Tops: Radunovic (Cagliari) e Sottil (Fiorentina) Flops: Altare (Cagliari) e Odriozola (Fiorentina)

Na Sardenha, Cagliari e Fiorentina fizeram uma partida confusa. Principalmente em termos de arbitragem, com o apitador Gianluca Aureliano, que conversou demais e gerou irritação em jogadores de ambas as equipes. No fim, um pênalti perdido para cada lado e o empate por 1 a 1 — que se mostrou justo pelo que foi a partida no Unipol Domus.

O primeiro tempo teve chances de lado a lado. A Viola, certamente, teve a melhor delas, com uma penalidade marcada logo aos sete minutos. Sem Vlahovic, fora da escalação, Biraghi foi para a cobrança, mas parou no goleiro Radunovic. A defesa deu ânimo ao Cagliari que, daí em diante, assustou mais até a chegada do intervalo, com duas bolas na trave. No comecinho do segundo tempo, João Pedro abriu o placar de cabeça para os mandantes. E os rossoblù ainda tiveram a chance de ampliar, após outro penal marcado na partida. O lance foi confuso, com o juiz assinalando infração de Odriozola (e o expulsando) por tocar a mão na bola após uma cabeçada. Só que a imagem não deixou claro o toque do espanhol, que também pode ter sofrido falta de ataque na jogada.

Enfim, João Pedro foi para a cobrança, mas parou em Terracciano. Dessa vez, o erro deu gás ao time violeta, que partiu para o ataque mesmo com a desvantagem numérica. Aos 30 da segunda etapa, Sottil, que entrou no segundo tempo, arrancou pela esquerda, sozinho, e marcou um belo gol. Lei do ex na Sardenha e empate decretado. Com o resultado, a Fiorentina perde uma posição e cai para o sétimo posto no campeonato. O time tem 36 pontos, mais do que o dobro do Cagliari, dono de 17. A equipe da Sardenha é a primeira da zona de rebaixamento, a apenas um pontinho do Venezia, porém com um jogo a mais.

Recém-chegado à Roma, Sérgio Oliveira fez a diferença em seus dois jogos pela equipe capitolina (Getty)

Torino 1-1 Sassuolo

Gols e assistências: Sanabria (Singo); Raspadori (Berardi) Tops: Bremer (Torino) e Consigli (Sassuolo) Flops: Milinkovic-Savic (Torino) e Scamacca (Sassuolo)

Existem empates e empates no futebol. E o Torino, certamente, não está nada satisfeito com a igualdade no estádio Olímpico de Turim nesta 23ª rodada. Em boa fase na Serie A, o Toro dominou por completo o Sassuolo, criou chances, assustou, colocou três bolas na trave, mas acabou não alargando a vantagem inicial. Nos minutos finais, um erro defensivo somado a uma pequena dose de azar decretaram o 1 a 1 injusto, até certo ponto…

Novamente, a bola aérea foi o carro-chefe do Torino, que abriu o placar com Sanabria. Ele completou com uma cabeçada o passe, também de cabeça, de Singo, aos 16 minutos da primeira etapa. Depois disso, o goleiro do Sassuolo, Consigli, fez uma ótima defesa à queima-roupa em chute do paraguaio, e o time da casa ainda acertou a trave em mais três oportunidades – canhão de Mandragora, cabeceio de Sanabria e escorada de Bremer, desviada pelo arqueiro neroverde antes de tocar o travessão. A pressão, contudo, não resultou no mais importante: gols.

Na reta final da partida, o castigo chegou para a equipe grená. Berardi carregou a bola pela esquerda aos trancos e barrancos e, quando o lance parecia perdido, o atacante conseguiu tocar a bola para o meio da área. O goleiro Milinkovic-Savic já havia abandonado a meta e, portanto, o visual ficou livre para Raspadori empatar. Foi o único dos seis chutes do Sassuolo que teve a direção do gol. Já o Torino, com 21 arremates, também só conseguiu um tento. Este é o futebol.

Com o empate, o Sassuolo chega aos 29 pontos, na 11ª colocação. Ou seja, imediatamente atrás do Torino, que é o 10º melhor time do Campeonato Italiano, com 32 — e um jogo a menos do que os rivais neroverdi.

Spezia 1-0 Sampdoria

Gol e assistência: Verde (Agudelo) Tops: Agudelo e Verde (Spezia) Flops: Ekdal e Falcone (Sampdoria)

Em uma partida pobre de ideias e grandes chances, principalmente no primeiro tempo, o Spezia arrancou uma vitória importantíssima da Sampdoria pelo placar mínimo. É o terceiro seguido — e o quarto nos últimos cinco jogos — para impulsionar o time bianconero à 14ª colocação da Serie A, com 25 pontos. O triunfo dá um bom respiro aos spezzini, que estão, agora, a sete pontos da zona de rebaixamento. O mesmo não pode ser dito da Samp, que perdeu a quarta peleja seguida e segue com o sinal de alerta ligado. O time é apenas o 16º na tabela, com 20 pontos somados.

Verde foi o herói do Spezia, em uma partida que não teve grande nível técnico. Na verdade, a Sampdoria flertou com o gol em duas oportunidades já na etapa final. A equipe visitante, inclusive, acertou a trave do goleiro Provedel numa cabeçada de Caputo. Mas foram os mandantes que acharam o golzinho. Foi numa bela jogada de Agudelo, que entrou no tempo complementar e, mais uma vez, jogou muito bem. O camisa 33 cruzou e Verde bateu de primeira, sem deixar a bola cair. O goleiro Falcone ainda tocou na bola com a perna, mas não impediu o gol solitário no Alberto Picco.

No fim, Ekdal, da Samp, ainda foi expulso pelo acúmulo de dois cartões amarelos, sacramentando o revés para a esquadra de Gênova, que estreou o técnico Giampaolo, mas segue em péssima fase no Italiano. Já o Spezia vem em uma crescente impressionante. O caçula da temporada passada da Serie A está disposto a estender sua estadia na elite da Itália por, ao menos, mais um ano. Mérito de Thiago Motta, que vai conduzindo um dos elencos mais frágeis da categoria a um novo milagre.

Se o Spezia está longe da zona de rebaixamento, o mérito é do ítalo-brasileiro Thiago Motta (Getty)

Verona 2-1 Bologna

Gols e assistências: Caprari (Lazovic) e Kalinic (Lasagna); Orsolini (Soriano) Tops: Kalinic e Lasagna (Verona) Flops: Medel e Binks (Bologna)

No estádio Marcantonio Bentegodi, o Hellas colocou fim a um longo jejum ao bater o Bologna, por 2 a 1. Isso porque o time de Verona não vencia o rival em casa desde 2005 (seis jogos), quando saiu de campo vencedor em um duelo da Serie B. Dessa vez, o resultado positivo veio, embora os rossoblù tenham saído na frente do placar.

A partida, no geral, foi marcada por algumas lambanças defensivas. Na primeira delas, o zagueiro Günter errou um corte de cabeça, o que proporcionou a Orsolini bater de primeira. Com um tiro de canhota, o atacante do Bologna abriu o placar aos 14 minutos da primeira etapa. Só que o empate do Hellas Verona veio ainda antes do intervalo. Caprari desviou um cruzamento de Lazovic com um movimento plástico, de calcanhar. A bola tomou o rumo do gol e cruzou a linha da meta, apesar dos esforços do goleiro Skorupski. Detalhe para a zaga do Bologna, que assistindo toda a jogada sem esboçar qualquer reação.

A segunda etapa, porém, teve um panorama mais desequilibrado. O Verona criou as melhores chances, geralmente se aproveitando de vacilos do rival, e chegando à área em poucos toques. Simeone perdeu dois gols de frente para Skorupski e Lasagna finalizou com perigo de perna esquerda. O gol da virada, enfim, chegou aos 40 minutos do tempo final. Lasagna, de novo, cruzou da direita para Kalinic, sozinho na pequena área, cabecear com violência. Vale destacar que a dupla responsável pela reviravolta entrou no andamento da etapa complementar. E este foi o ato final da partida. Vitória do Hellas, que chega aos 33 pontos, na nona colocação da Serie A. O Bologna vem mais atrás, em 13º, com 27. Esta foi a terceira derrota seguida da equipe da Emília-Romanha no campeonato.

Genoa 0-0 Udinese

Tops: Bani (Genoa) e Silvestri (Udinese) Flops: Portanova (Genoa) e Deulofeu (Udinese)

No estádio Luigi Ferraris, em Gênova, Genoa e Udinese empataram por 0 a 0, resultado que não foi bom para nenhum deles na Serie A. Precisando reagir após levar de seis da Fiorentina, contudo, o time da casa foi bem melhor, levando esperanças a seu torcedor na estreia do técnico Alexander Blessin, uma incógnita. A Udinese simplesmente não jogou e teve sorte em voltar para casa com um pontinho na mala.

Isso porque as melhores chances foram do Genoa, que finalizou um total de 11 vezes contra apenas duas da rival – nenhuma delas no gol. No primeiro tempo, o goleiro Silvestri, melhor do time bianconero na partida, salvou duas bolas em sequência, de Ekuban e Yeboah. Na etapa final, o próprio Genoa se boicotou, perdendo oportunidades de dar arrepios ao torcedor presente no estádio. A principal delas foi com Portanova, que disparou pelo centro da área, a poucos metros da meta. Sem cacoete de atacante, entretanto, o camisa 20 acabou batendo torto com a perna direita de cara para a baliza.

Incompetência do Genoa, sorte da Udinese. O empate sem gols mantém os rossoblù na penúltima posição, com apenas 13 pontos. Já a equipe de Údine segue em queda no campeonato: apenas 24 pontos e a perigosa 15ª colocação no momento.

Seleção da rodada

Consigli (Sassuolo); Demiral (Atalanta), Bremer (Torino), Palomino (Atalanta); Dumfries (Inter), Elmas (Napoli), Sérgio Oliveira (Roma), Agudelo (Spezia); Zaniolo (Roma), Mertens (Napoli); Abraham (Roma). Técnico: Thiago Motta (Spezia).

Mencionados neste artigo

Saiba mais sobre o veículo