18ª rodada: Inter e Lazio vencem clássicos e Milan se aproxima do título de inverno

Logo: Calciopédia

Calciopédia

Imagem do artigo: https://image-service.onefootball.com/crop/face?h=810&image=https%3A%2F%2Fcalciopedia.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2021%2F01%2F1000356282-scaled.jpg&q=25&w=1080

A penúltima rodada do primeiro turno foi uma das mais agitadas do campeonato até agora. Nos clássicos do fim de semana, levou a melhor quem tem azul no uniforme: Lazio e Inter venceram Roma e Juventus, respectivamente, sem dificuldades e impondo o seu estilo de jogo à adversária. O líder Milan, por sua vez, foi até Sardenha para vencer o Cagliari e ficar muito perto de garantir o título simbólico de campeão de inverno após uma década. Considerando os últimos 20 anos, somente o Napoli de 2015-16 não conquistou o scudetto depois de terminar o primeiro turno na liderança.

Na parte de baixo, o Torino empatou contra o Spezia com um a mais desde o primeiro tempo e decidiu demitir o técnico Giampaolo – Davide Nicola deve ser anunciado para o seu lugar. O Crotone conseguiu uma vitória importante contra o Benevento e agora fica a dois pontos de sair da zona de rebaixamento. O outro time da zona, o Parma, ficou a alguns segundos de vencer o Sassuolo, mas levou empate nos acréscimos. Confira a análise da rodada.

Inter 2-0 Juventus

Gols e assistências: Vidal (Barella) e Barella (Bastoni)
Tops: Barella e Bastoni (Inter)
Flops: Chiellini e Ronaldo (Juventus)

Como poucas vezes se viu, a Inter dominou amplamente o Derby d’Italia e ratificou sua capacidade de brigar pelo título em 2020-21. A equipe chegou a 40 pontos no campeonato, se manteve três atrás do Milan e ampliou a distância para os outros concorrentes – como a própria Juventus, sete atrás.

A grande história desse clássico era o duelo entre Conte e Pirlo, professor e aluno. O mais velho mostrou quem manda e deu um nó tático no discípulo, que viu Brozovic e Barella dominarem no meio-campo, Ronaldo e Morata sumirem na marcação de Skriniar e Bastoni e Lautaro e Lukaku incomodarem o trio defensivo bianconero, carente de De Ligt. Depois da Juve marcar, mas em impedimento, o time de Milão reagiu e Vidal aproveitou o cruzamento de Barella para testar a bola para o fundo do gol e acionar a lei do ex.

O meio-campo da Juventus com Rabiot e Bentancur não funcionou e a Inter marcava forte pelos lados, deixando o time sem criação. Nas narrações, pouco se ouviu o nome de Ronaldo – e muito menos o de Morata. Quando pressionava alto, o time bianconero deixava muitos espaços e foi assim que saiu o segundo dos mandantes: Bastoni efetuou um lindo lançamento para o excelente Barella se infiltrar nos buracos da zaga juventina e marcar. Pirlo tentou uma reação fazendo três substituições de uma vez, mas a estratégia não surtiu efeito: Handanovic só fez uma defesa complicada nos últimos minutos.

Lazio 3-0 Roma

Gols e assistências: Immobile (Lazzari), Luis Alberto (Lazzari) e Luis Alberto (Akpa Akpro)
Tops: Luis Alberto e Lazzari (Lazio)
Flops: Ibañez e Spinazzola (Roma)

Roma é biancoceleste. Dominante por todo o dérbi capitolino, a Lazio atropelou sua rival e venceu com folga – para se ter uma ideia, sofreu o primeiro chute a gol só no final da partida. Com o resultado, o time de Simone Inzaghi chegou à sua terceira vitória seguida e encostou na zona Champions League: está apenas três pontos atrás de Roma e Napoli, que dividem a terceira posição.

A Lazio marcava alto e fez o seu primeiro gol após Ibañez – que teria um dia para esquecer – se atrapalhar com a bola e ver Lazzari rolar para o artilheiro Immobile marcar. O segundo gol também teve participação do ala destro: atacando as costas de Spinazzola, novamente aproveitou vacilo do brasileiro para tocar para Luis Alberto e ele marcar. Tudo isso com 23 minutos de jogo.

No segundo tempo, Pau López foi evitando o que poderia ser uma goleada ainda maior, mas Luis Alberto estava com a pontaria em dia e marcou sua doppietta, novamente em jogada que teve participação de Lazzari. Apática, a Roma transformou Reina num espectador privilegiado da partida. O time de Paulo Fonseca ganhou todos os confrontos que realizou contra os 11 últimos colocados, só que somou apenas 4 pontos contra os nove primeiros. A Loba precisa ajustar essa tendência se quiser sonhar com uma vaga na Champions League.

Cagliari 0-2 Milan

Gols e assistências: Ibrahimovic (pênalti) e Ibrahimovic (Calabria)
Tops: Ibrahimovic e Calabria (Milan)
Flops: Lykogiannis e Nainggolan (Cagliari)

O Milan fechou a rodada com uma vitória tranquila sobre o Cagliari, seu freguês, e manteve três pontos de vantagem na ponta: basta somar um ponto contra a Atalanta ou que a Inter não vença a Udinese, na próxima rodada, para se sagrar campeão de inverno. O líder foi até a Sardenha e precisou apenas de sete minutos para abrir o placar, com um gol de pênalti de Ibrahimovic – ele mesmo fora derrubado na área por Lykogiannis. O sueco deixou a sua marca nos sete últimos jogos contra os sardos.

No segundo tempo, Ibra marcou de novo. Calabria – que tinha acertado uma bola na trave no primeiro tempo – efetuou um excelente lançamento e Ibracadabra bateu Cragno. Pela primeira vez em sua carreira, Zlatan anotou nas oito primeiras partidas como titular. O atacante também foi o primeiro milanista a balançar as redes 12 vezes em oito rodadas desde Van Basten, em 1992-93. Números que ratificam como, mesmo com 39 anos, o craque continua em altíssimo nível.

Aos 66, Saelemaekers entrou em campo. O belga levou amarelo dois minutos depois e foi expulso aos 74. Nem mesmo com um a menos o Milan se viu realmente ameaçado – a rigor, Donnarumma só fez uma defesa notável na peleja. O Cagliari somou sua sexta derrota seguida, considerando todas as competições. Se os resultados e o nível de atuação não melhorarem nos próximos dias, é bem provável que Di Francesco seja demitido.

Napoli 6-0 Fiorentina

Gols e assistências: Insigne (Petagna), Demme (Petagna), Lozano (Insigne), Zielinski (Mário Rui), Insigne (pênalti) e Politano (Bakayoko)
Tops: Insigne e Zielinski (Napoli)
Flops: Igor e Pezzella (Fiorentina)

O domingo italiano começou com chuva e goleada histórica: pela primeira vez, o Napoli marcou seis gols contra a Fiorentina. Se a pontaria azzura não estava funcionando muito bem nas últimas partidas, os treinamentos durante a semana levaram a seis bolas nas redes em sete finalizações à meta de Dragowski. Só no primeiro tempo foram quatro.

A farra começou quando Petagna recebeu na área e fezo pivô para Insigne marcar; depois o centroavante cruzou rasteiro para Demme chegar de carrinho e ampliar. O terceiro teve uma bela jogada de Insigne, que passou por três e enfiou nas costas da zaga para Lozano marcar. Antes do intervalo, Zielinski fez o seu.

Desolados, os jogadores da Viola só queriam evitar uma goleada maior. Mas o atordoamento mostrado por Igor, Venuti, Pezzella e Milenkovic se espraiou: aos 72, Castrovilli derrubou Bakayoko na área e a penalidade foi convertida por Insigne. No final do jogo, Politano passou por dois marcadoes e fechou o caixão. Enquanto o Napoli é o terceiro colocado, a Fiorentina segue instável e está cinco pontos acima da zona de rebaixamento.

Atalanta 0-0 Genoa

Tops: Djimsiti (Atalanta) e Criscito (Genoa)
Flops: Ilicic (Atalanta) e Czyborra (Genoa)

A Atalanta não conseguiu passar pela forte defesa do Genoa e encerrou uma sequência de três vitórias seguidas. De um lado, os nerazzurri tiveram uma atuação pouco criativa, mas de outro os rossoblù foram muito eficientes na marcação – principalmente Criscito e Radovanovic – e tiveram em Strootman uma garantia no meio-campo. Em sua estreia, o holandês foi bem participativo e ajudou nas transições. Claramente, adicionou nível técnico ao setor.

Os visitantes tiveram melhor atuação e chegaram perto do gol duas vezes no primeiro tempo, com Shomurodov – na primeira, finalizou para fora, depois parou em Gollini. A Atalanta, por sua vez, acertou a trave com Hateboer, e só. Na quarta a Dea enfrenta a Udinese em jogo que fora adiado por conta do mal tempo e, se vencer, assume a terceira posição. Já o Genoa vai navegando bem sob as ordens de Ballardini. Com oito pontos nas cinco partidas em que dirigiu o Grifone, o técnico lhe mantém fora da zona de rebaixamento, dois pontinhos à frente de Torino e Parma.

Sassuolo 1-1 Parma

Gols e assistências: Djuricic (pênalti); Kucka (Pezzella)
Tops: Ferrari (Sassuolo) e Kucka (Parma)
Flops: Chiriches (Sassuolo) e Busi (Parma)

Foi apenas por alguns segundos que o Parma não conseguiu a vitória no retorno de D’Aversa ao comando. Não que os crociati tenham feito uma partida melhor, porém: só no primeiro tempo, os neroverdi tiveram bola no travessão, chute que parou no goleiro Sepe e até gol anulado por impedimento milimétrico. Só que, aos 37 minutos, Kucka, ganhou de Chiriches no alto e, mesmo com a cabeça enfaixada, escorou de cabeça o cruzamento de Pezzella.

No segundo tempo, o roteiro foi parecido. O Sassuolo pressionava, mas seus chutes não encontravam o alvo ou paravam em Sepe. O Parma foi se fechando cada vez mais, ao estilo de D’Aversa. Mas, aos 95 minutos, Busi derrubou Ferrari na área. Djuricic cobrou e deslocou Sepe, deixando tudo igual no Mapei Stadium. No meio de semana, o Parma enfrenta a Lazio na Coppa Italia,  enquanto o Sassuolo só volta a campo no domingo, contra a mesma Lazio.

Bologna 1-0 Verona

Gols e assistências: Orsolini (pênalti)
Tops: Orsolini e Tomiyasu (Bologna)
Flops: Kalinic e Lazovic (Verona)

O Bologna conseguiu uma vitória depois de oito rodadas de jejum. O único gol da partida foi marcado aos 19 minutos: Orsolini perdeu grande chance cara a cara contra Silvestri e, no rebote, o goleiro derrubou Soriano na área. A penalidade foi marcada e Orso marcou, cobrando no lado oposto ao qual o arqueiro saltou. A primeira etapa não teve maiores emoções. O time de Juric estava apático em campo e só se defendia.

Na segunda etapa, o Verona foi ficando mais com a bola, mas ainda tinha dificuldade na criação. A melhor chance do time ocorreu quando Dawidowicz, sem querer querendo, achou Kalinic sozinho. Porém, o atacante bateu em cima do goleiro Skorupski, que fez uma grande defesa para garantir os três pontos. Com a derrota, o time de Verona fica mais distante das vagas para Liga Europa. Já o Bologna fica no meio da tabela, distante da zona de rebaixamento e do pelotão superior.

Torino 0-0 Spezia

Tops: Bremer (Torino) e Maggiore (Spezia)
Flops: Linetty (Torino) e Vignali (Spezia)

Uma vitória representaria um alívio para qualquer um dos times, que lutam contra o rebaixamento. No entanto, o empate também acabou sendo bom para o Spezia, que jogou com 10 por quase toda a peleja com o Torino: aos 8 minutos, Vignali acertou Murru em cheio e foi expulso após a revisão do VAR. Com um a mais em campo, o Toro teria tudo para ser superior, certo? Errado, o Spezia mostrou a habitual organização do bom trabalho de Italiano e continuou sendo combativo mesmo com desvantagem numérica.

Sirigu trabalhou na partida e teve que defender três chutes que foram em direção à sua meta, enquanto o Torino teve enorme dificuldade para superar a retranca dos bianconeri e só foi finalizar corretamente nos minutos finais, quando também acertou a trave, com Ansaldi. O time de Turim errava muitos passes e permitia que o Spezia puxasse contra-ataques perigosos, que poderiam ter sido aproveitados se o artilheiro Nzola estivesse disponível para a partida. Com situação agravada e na zona de rebaixamento, o Torino demitiu Giampaolo e está pronto para acertar com Nicola, que foi zagueiro do clube nos anos 2000 e é conhecido por montar esquemas defensivos.

Sampdoria 2-1 Udinese

Gols e assistências: Candreva e Torregrossa (Augello); De Paul
Tops: Augello (Sampdoria) e De Paul (Udinese)
Flops: Quagliarella (Sampdoria) e Mandragora (Udinese)

Quando encontra a Udinese, a Sampdoria não costuma deixar barato: somou sua quarta vitória seguida contra o time friulano e subiu para a décima posição do campeonato, ultrapassando o Benevento. Por sua vez, os bianconeri não vivem boa fase e já veem a zona de rebaixamento a uma distância de apenas três pontos, depois de sequência de cinco rodadas sem triunfos.

A partida começou com muitas oportunidades para ambos os times, mas o placar só foi movimentado no início da etapa final, com De Paul – no primeiro tempo, o argentino chegara a acertar o travessão com um chute de longe. Só que a Sampdoria respondeu aos 67 minutos, depois que Mandragora derrubou Candreva na área. Na cobrança, de cavadinha, o meia deixou tudo igual e chegou à terceira partida seguida balançando as redes. Aos 81, a Samp virou com um reforço de inverno: Torregrossa, atacante contratdo junto ao Brescia, subiu mais alto que a defesa e completou um ótimo cruzamento de Augello.

Crotone 4-1 Benevento

Gols e assistências: Glik (contra), Simy, Simy (Rivière) e Vulic (Simy); Falque
Tops: Simy e Cordaz (Crotone)
Flops: Glik e Insigne (Benevento)

A grande surpresa da rodada veio da Calábria. Não necessariamente pela vitória do Crotone (visto que, no histórico de jogos contra o Benevento, o mandante sempre venceu), mas pela goleada categórica. Um triunfo que, no entanto, mantém os tubarões na lanterna, com 12 pontos, a dois de sair da zona de rebaixamento No duelo entre promovidos da Serie B, o nigeriano Simy foi o grande destaque e deixou a defesa giallorossa atordoada. Logo aos 4 minutos, o atacante lutou com Glik na área e, ao tentar cortar, o polonês acabou jogando contra o próprio patrimônio. Aos 29, Simy ajudou a puxar um contra-ataque e, depois de outro erro de gesto técnico de Glik, ampliou.

O Benevento foi ativo ofensivamente toda a partida, mas parou na falta de pontaria e em um Cordaz inspirado – que, entre outras boas participações, fez defesa sensacional num voleio de Hetemaj. Como os sanniti não aproveitaram as chances que criaram, o Crotone se sentiu livre para consolidar a goleada nos primeiros 20 minutos da segunda etapa. Simy marcou novamente depois de um cruzamento para a área e participou da construção do belo tento de Vulic, em chute de fora da área. O Benevento só foi descontar aos 82 minutos, com Falque.

Seleção da rodada

Cordaz (Crotone); Lazzari (Lazio), Skriniar (Inter), Bastoni (Inter), Calabria (Milan); Barella (Inter), Zielinski (Napoli), Luis Alberto (Lazio); Insigne (Napoli); Ibrahimovic (Milan), Simy (Crotone). Técnico: Antonio Conte (Inter).